Ciência para ser apreciada

A ciência foi parar na galeria de arte. Essa é a sensação que se tem ao visitar a exposição ‘Se liga!’, no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro. O local que recebeu cinco das 20 exposições mais visitadas no mundo durante o ano passado agora abre espaço para cientistas, teorias e experimentação na mostra que coloca ciência, arte e imaginação lado a lado. São três salas repletas de informação e interatividade em forma de vídeos, jogos, pinturas e fotografias.

Existe um ponto inicial para a criação de artistas e cientistas? Se existe, qual é esse ponto? Para os organizadores da exposição, o essencial é ter a mente aberta, pronta para a imaginação fluir e atingir a criação. É assim que o visitante começa sua jornada pela mostra. A primeira das três salas é um ambiente onde tudo propicia o exercício da imaginação. A luz, o som e o material disponível são um chamado para inventar. Rodeados por sombras, adultos e crianças têm a oportunidade de experimentar sem compromisso.

A pesquisa dos organizadores permitiu uma seleção de artistas – brasileiros e estrangeiros – que dialogam de muito perto com a ciência, seja no conceito contido na obra, seja na técnica de trabalho

Obras de arte contemporânea e conhecimento científico se alternam a partir da segunda sala. A pesquisa dos organizadores permitiu uma seleção de artistas – brasileiros e estrangeiros – que dialogam de muito perto com a ciência, seja no conceito contido na obra, seja na técnica de trabalho. “O artista, assim como o cientista, também pensa, inventa e pesquisa com interesse nos fenômenos do mundo”, comenta Diogo Rezende, diretor de arte e um dos curadores da exposição.

A multidisciplinaridade atravessa a sala. Matemática, física e biologia estão presentes em um jogo sobre os clássicos cinematográficos da ficção científica e nas fotografias do coelho geneticamente modificado para brilhar no escuro de Eduardo Kac, artista brasileiro que é um dos pioneiros da ‘bioarte’ – forma de arte produzida em laboratório e que utiliza como substrato seres vivos.

Conteúdos que tantas vezes vimos na escola estão espalhados pela mostra das maneiras mais improváveis. “Apresentar essa exposição é popularizar e desmistificar tanto a ciência, quanto a arte”, afirma Rezende. “O diferencial da mostra ‘Se liga!’ é tornar o que se aprende em sala de aula mais agradável e natural.”

Exposição 'Se liga!'
A terceira sala da exposição explora os limites da arte e da ciência em uma instalação com ares de mistério. (foto: Tuna Mayer e Roberto Pontes)

As fronteiras – da ciência e da arte – estão representadas por algumas obras na terceira sala da exposição. Conceitos abstratos e de difícil compreensão, como o multiverso, buracos negros ou o próprio tempo, dividem espaço com obras que abusam da tecnologia e da especulação científica.

Aproximar arte contemporânea, ciência e público de todas as idades. Essa é a proposta – que funciona muito bem – da exposição ‘Se liga!’. “Existe o mito do cientista que precisa estar isolado, sem interagir com a sociedade. A arte também possui um mito de se distanciar das pessoas, de que é necessário ser um conhecedor para poder apreciar as obras. Reunimos todos esses elementos para mostrar que todo mundo pode apreciar arte e entender um pouco de ciência”, encerra Rezende.

Confira mais imagens da exposição.

 

Exposição ‘Se liga!’
Centro Cultural Banco do Brasil – Rio de Janeiro
Rua Primeiro de março, 66 – 2º andar – Centro – Rio de Janeiro
Até 25 de maio; de quarta a segunda, das 9h às 21h
Entrada gratuita

Everton Lopes
Ciência Hoje On-line

Clique aqui para ler o texto que a CHC preparou sobre esse assunto.

Matéria publicada em 15.04.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Parceria contra câncer e bactérias patogênicas

Resultados de estudos sobre os mecanismos de entrada das proteínas virais nas células, feitos por pesquisadores brasileiros e portugueses, deram origem a um projeto para o desenvolvimento de fármacos para o combate de diversas doenças.