Conectados à música

Aos amantes da música, uma boa notícia: pela primeira vez no Brasil foi inaugurado um museu virtual dedicado inteiramente ao estudo dos instrumentos musicais. O Museu Virtual de Instrumentos Musicais (MVIM) é um projeto do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A página permite uma experiência on-line interativa em um diversificado acervo musical e apresenta ainda informações detalhadas sobre cada instrumento.

O museu virtual foi elaborado de forma a facilitar a navegação dos visitantes e estimular todos os sentidos possíveis. Grande parte dos instrumentos cadastrados é acompanhada por arquivos de áudio que mostram o seu som e vídeos de como ele é tocado, além de fotos e textos informativos.

O principal objetivo do museu é contar a rica história dos instrumentos musicais para os brasileiros

Segundo a musicóloga Adriana Olinto Ballesté, coordenadora do projeto, o principal objetivo do MVIM é contar a rica história dos instrumentos musicais para os brasileiros. “São raros e dispersos os relatos históricos que mencionam instrumentos”, comenta. “Além disso, poucas pesquisas foram feitas sobre o assunto.”

Para Ballesté, o fato de o museu ser uma plataforma on-line é atrativo para o público. “Esperamos que o site chame a atenção de todos, já que ele vai permitir que o usuário faça buscas direcionadas de acordo com seus interesses na área musical”, explica a musicóloga.

De todas as partes

O museu virtual, criado com o apoio da Faperj, inclui todos os instrumentos do acervo físico do Museu Instrumental Delgado de Carvalho, da Escola de Música da UFRJ. São exemplares de todo o mundo, desde a Ásia, passando pela África, Europa e Américas.

Um item em destaque é a tíbia, uma flauta de origem asteca produzida no México feita a partir de uma tíbia humana (osso localizado na perna). Desperta interesse especial também o mayuri, instrumento indiano de cordas bastante usado nas cortes da Índia no século 19. Ele tem a caixa de ressonância em forma de pavão, animal considerado, na cultura indiana, o veículo do deus da música, Sarasvatî.

Assista a uma apresentação de mayuri

Também chama a atenção o so duang, um instrumento de corda que lembra um banjo, mas tem sua caixa de ressonância feita de bambu coberto com um tampo de pele de jiboia.

Ballesté afirma que o objetivo é manter o MVIM sempre em movimento. “Uma das questões que nos motivam a dar continuidade ao projeto é o esforço para incluir no acervo mais instrumentos usados na música brasileira, como o cavaquinho, o violão, a zabumba e a maraca, e falar sobre sua utilização em manifestações musicais de nosso país, como o choro e o boi-bumbá”, diz a musicóloga, que já adianta que sua meta futura é agregar ao museu um espaço lúdico com jogos interativos, voltado para atrair o interesse de professores de música e jovens estudantes.

Valentina Leite
Ciência Hoje On-line

Clique aqui para ler o texto que a CHC preparou sobre esse assunto.

 

Matéria publicada em 24.02.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Parceria contra câncer e bactérias patogênicas

Resultados de estudos sobre os mecanismos de entrada das proteínas virais nas células, feitos por pesquisadores brasileiros e portugueses, deram origem a um projeto para o desenvolvimento de fármacos para o combate de diversas doenças.