Uma revista, uma época

Revistas costumam ser espelhos das sociedades em que são criadas. Buscam retratar sua vida política e cultural, propõem desafios, geram reflexões, apontam tendências. A Revista da UFMG não é exceção. Publicada pela Universidade Federal de Minas Gerais de 1929 a 1969, ela voltou a circular em dezembro último em novos formato e proposta.

Órgão oficial da UFMG para registrar as decisões do conselho universitário em suas origens, a revista foi passando por transformações até se tornar, nos anos 1960, um instrumento de divulgação da produção acadêmica. Mais de 40 anos depois, a publicação retoma o nome e acolhe seu legado, mas com uma abordagem mais plural: transcender os limites das disciplinas e afinar acordes com a pauta internacional.

‘Revista da UFMG’
A antiga ‘Revista da UFMG’ circulou entre 1929 e 1969. (foto: Luciano Baêta/ Revista da UFMG)

“Cada época, cada geração escolhe suas revistas e os problemas que quer enfrentar”, escreve o economista João Antonio de Paula na apresentação da edição inaugural. Mas qual seria o problema que a Revista da UFMG quer atacar? “Esperamos que consiga suscitar uma multiplicidade de perspectivas e olhares”, almeja João Antonio, editor da revista e pró-reitor de Planejamento da universidade. “Além disso, o grau de internacionalização da revista será muito maior.” 

“Esperamos que consiga suscitar uma multiplicidade de perspectivas e olhares”

Ele lembra que diversas áreas do conhecimento têm revistas próprias e prestigiadas: “A ideia não é concorrer com elas, mas reforçar projetos interdisciplinares que já existem no meio acadêmico”. Para isso, a publicação conta com o apoio do Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares (Ieat) e do Centro de Comunicação (Cedecom) da UFMG.

Iniciativa de João Antonio e de pesquisadores de diferentes departamentos da universidade que hoje compõem o conselho editorial, o relançamento foi rapidamente apoiado pela atual reitoria. As reuniões para concretizar o projeto começaram em 2011 e logo surgiu uma lista de temas que poderiam inspirar múltiplas interpretações.

‘Corpo’, tópico do primeiro número, se prestou bem a esse tratamento. “Temos desde artigos sobre envelhecimento, processos urbanos contemporâneos e representação artística do corpo até textos sobre astrofísica e antropologia, sempre adotando o corpo como referência”, conta João Antonio. Entre os autores, boa parte são professores da UFMG, mas também há pesquisadores de outras instituições brasileiras e do exterior. 

Sumário Revista da UFMG
Sumário da edição que marca a retomada da revista, no qual o tema ‘Corpo’ foi dissecado. Há desde artigos sobre envelhecimento, processos urbanos contemporâneos e representação artística do corpo até textos sobre astrofísica e antropologia. (imagem: reprodução)

O próximo tema já foi definido: ‘Cidades’. “Nesta primeira fase de consolidação, estamos encomendado os artigos, mas já lançamos o convite à comunidade para contribuir com textos espontâneos, que serão avaliados pelo nosso comitê editorial”, conta João Antonio.

O editor diz que, além dos artigos, haverá sempre uma entrevista. A do primeiro número foi com a artista mineira Teresinha Soares, defensora dos direitos e desejos das mulheres. A próxima será com o crítico e historiador da arte Frederico Moraes, sobre a produção de arte nas cidades e as intervenções artísticas urbanas.

A tiragem da primeira edição foi de 3 mil exemplares. Segundo João Antonio, a ideia é distribuí-la gratuitamente nas bibliotecas universitárias e públicas do país. Os interessados em conhecer a revista podem solicitar o envio à Pró-reitoria de Planejamento da UFMG; para isso basta pagar as despesas de correio.

Você leu o texto publicado na seção ‘Mosaico’ do sobreCultura 12. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral do suplemento.

PDF aberto (gif)

Alicia Ivanissevich
Ciência Hoje/ RJ

Matéria publicada em 10.07.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Parceria contra câncer e bactérias patogênicas

Resultados de estudos sobre os mecanismos de entrada das proteínas virais nas células, feitos por pesquisadores brasileiros e portugueses, deram origem a um projeto para o desenvolvimento de fármacos para o combate de diversas doenças.