A bióloga do dedo verde

Uma das pioneiras da anatomia vegetal e um dos nomes mais importantes da botânica no país, Nanuza Luiza de Menezes descobriu a riqueza natural da Serra do Cipó e liderou campanhas de conservação que preservaram biomas como a Mata Atlântica.

Quando comecei a pensar sobre este texto para narrar minha trajetória como cientista, me veio à cabeça um amigo querido, Werner Bokermann (1929-1995). Somos os dois de Botucatu, interior de São Paulo, e, quando o conheci, ele era servente no Museu de Zoologia da USP, universidade onde fiz graduação, mestrado, doutorado, fui professora livre-docência e titular, e ainda leciono. Seu conhecimento era tanto que, mesmo servente, ganhou uma bolsa para classificar a coleção de sapos do Smithsonian Institution. Ele costumava me acompanhar em minhas viagens. Eu, em busca de minhas plantas; ele, atrás dos bichos dele. Ele até descreveu uma espécie de perereca Hyla nanuzae Bokermann e Sazima, que após sua morte, foi reclassificada em outro gênero, Bokermanohyla nanuzae Sazima. Imagine se ele estivesse vivo! Sempre o incentivei a fazer faculdade, mas ele se achava velho. Um dia ele me ligou e contou que tinha entrado para Ciências Biológicas, na Faculdade Farias Brito. Ele disse: “Doutora, a senhora é minha madrinha”. Depois o Werner fez doutorado na USP, e é reconhecido como um dos maiores especialistas em anfíbios do mundo.

Nanuza Luiza de Menezes

Instituto de Biociências
Universidade de São Paulo

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Open chat