A ‘distorção’ da mente de um diretor

Filme de ficção nada científica premiado em festival soa como um experimento antiético com o cérebro do espectador.

O filme Distorção (no original, Alterscape, Estados Unidos, 2018) é o primeiro longa-metragem dirigido e roteirizado pelo cineasta norte-americano Serge Levin. Notavelmente, a obra ganhou o prêmio de melhor longa-metragem no Festival de Cinema de Ficção Científica Phillip K. Dick. Todavia, desconfio que Dick, renomado autor de romances clássicos de sci-fi, como O homem do castelo alto e O homem duplo, se reviraria em seu caixão ao ver seu nome associado à excrescência produzida por Levin.

Max Rumjanek

Roteirista, graduado em cinema pela Universidade Federal Fluminense

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.