A ‘distorção’ da mente de um diretor

Filme de ficção nada científica premiado em festival soa como um experimento antiético com o cérebro do espectador.

O filme Distorção (no original, Alterscape, Estados Unidos, 2018) é o primeiro longa-metragem dirigido e roteirizado pelo cineasta norte-americano Serge Levin. Notavelmente, a obra ganhou o prêmio de melhor longa-metragem no Festival de Cinema de Ficção Científica Phillip K. Dick. Todavia, desconfio que Dick, renomado autor de romances clássicos de sci-fi, como O homem do castelo alto e O homem duplo, se reviraria em seu caixão ao ver seu nome associado à excrescência produzida por Levin.

Max Rumjanek

Roteirista, graduado em cinema pela Universidade Federal Fluminense

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Qual a relação entre religião e bondade?

A religiosidade está associada a atos que promovam o bem-estar do outro? Como explicar a ambiguidade entre o discurso religioso de amor e as guerras e perseguições motivadas por crenças religiosas?

Saúde pública X privada

Qual o futuro do SUS? O que fazer para garantir o direito à saúde da população?