A estranha natureza das coisas

Telescópios nos revelaram a vasta composição do cosmos e microscópios, a intricada composição celular da vida. Mas, talvez, a mais fascinante descoberta sobre a natureza das coisas seja o peculiar comportamento dual da matéria em nível atômico e subatômico.

 

Nossa percepção cotidiana faz com que construamos uma imagem do mundo que nos cerca. Sabemos que uma pedra tem certas características que a fazem diferente da água líquida e também sabemos que um ser vivo se comporta de maneira distinta da matéria inerte.

Com o avanço do conhecimento, ampliamos nossas percepções por meio de diversos equipamentos. As invenções do telescópio e do microscópio, por exemplo, mostraram que existiam coisas que estão além de nossa visão. O primeiro mostrou que as estrelas são mais do que pontos brilhantes no céu, revelando-nos que existem bilhões e bilhões delas, as quais se agrupam em complexas estruturas, como galáxias. O segundo permitiu não só desvendar a base celular dos seres vivos, mas também mostrar que dentro delas há ‘pequenos universos’ com estruturas muito complexas.

Adilson de Oliveira

Departamento de Física,
Universidade Federal de São Carlos (SP)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.