A fórmula da igualdade de gênero na química

Pesquisadora premiada lista ações importantes para que cada vez mais mulheres ocupem posições de destaque na ciência.

Ainda é tímido o número de mulheres em posição de destaque na química, assim como em muitas áreas da ciência do Brasil. Essa realidade, no entanto, está em transformação. Mais e mais mulheres têm optado pelas ciências exatas. Não é uma mudança repentina: diversas ações têm mostrado às jovens que, se elas quiserem, podem e devem escolher esses setores, antes vistos como “masculinos”.  É evidente a ampliação das discussões sobre a garantia da redução das desigualdades, a inserção das minorias nos diversos ambientes da sociedade, inclusive na química.Mas não basta abrir esses caminhos apenas na universidade. Meninas ainda são desestimuladas a participar de brincadeiras porque são “meninas”, portanto, é urgente refletir sobre os processos educacionais.

Márcia Foster Mesko

Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos
Universidade Federal de Pelotas

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.