A verdade no banco dos réus

Mais atual do que nunca, filme mostra o julgamento de uma historiadora que, para provar sua inocência, precisa comprovar a existência do Holocausto.

“Existem fatos, existem opiniões e existem mentiras.” A frase da pesquisadora Deborah Lipstadt (vivida pela excelente Rachel Weisz) marca e até transcende as questões de Negação (EUA e Reino Unido, 2017). Mais atual do que nunca, filme trata da capacidade humana de negar, intencionalmente ou não, eventos e até fatos.

Passada nos anos 1990, a história mostra o julgamento de Deborah, conceituada historiadora americana que vai parar no banco dos réus acusada de difamar seu colega britânico David Irving (Timothy Spall). O processo se baseia nos argumentos apresentados pela pesquisadora em seu livro Negando o holocausto: o crescente ataque à verdade e à memória, no qual ela critica Irving por pregar a inexistência do holocausto.

Carla Madureira Cruz

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.