A vitória da alimentação

Nutrição voltada para atletas de alto nível exige aperfeiçoamento constante para acompanhar evolução das ciências do esporte.

 

O atleta de elite está sempre em busca da superação, do melhor resultado, e, para tanto, procura o aprimoramento constante. É assim também com o nutricionista esportivo. Se o primeiro se dedica aos treinos para conquistar recordes, medalhas e taças, o segundo nunca pode deixar de estudar para acompanhar a evolução das ciências do esporte.

Mas por que esse profissional precisa ir além de suas competências básicas, nas áreas de avaliação do estado nutricional, fisiologia e bioquímica do exercício, entre outras? Com esse conhecimento, ele já é capaz de realizar com segurança a prescrição nutricional (plano alimentar e suplementação esportiva) individualizada, associada à educação nutricional continuada frente aos períodos de treinamento, competição e recuperação de cada temporada. Mesmo assim, cada vez mais nutricionistas do esporte têm buscado, nos cursos de pós-graduação, competências extras.

Lísia M. P. Kiehl

Laboratório dos Estudos do Movimento, Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.
Docente convidada doCurso de Graduação em Educação Física, Universidade Brasil.

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Química, religião e política

Considerado pelos norte-americanos como o descobridor do oxigênio, o britânico Joseph Priestley transitou por diversas áreas, deixando um vasto e importante legado em todas elas.

Mães fumantes, filhos obesos

Estudo em animais mostra que tabagismo durante o período da amamentação aumenta a probabilidade de bebês apresentarem sobrepeso na vida adulta, mesmo quando as mães pararam de fumar na gestação.