Adão e Eva sob a tirania do todo-poderoso

A interpretação literária da Bíblia pode revelar toda a complexidade de suas narrativas e nos permite refletir sobre os mais diversos contextos históricos da humanidade.

 

Há inúmeras formas de lermos e interpretarmos as mais diversas narrativas que os seres humanos são capazes de produzir, como as narrativas bíblicas, que se oferecem como um importante instrumento de reflexão para os mais diversos e inusitados contextos históricos da humanidade, como esse que estamos vivenciando agora, que, na melhor das hipóteses, nos parece surpreendente. Dentre essas inúmeras possibilidades de leitura, optamos pela de natureza literária. Essa opção decorre do fato de acreditarmos que somente o viés literário pode dar conta da complexidade e da grandiosidade dessas narrativas, que devem ser lidas e analisadas como pertencentes a um dos mais importantes e complexos livros de contos que o ocidente foi capaz de produzir.

Nesse livro, há histórias de amor, de sexo, de morte, de traição, de fé cega, mas também de insistente suspeição. Esses são ingredientes fundamentais para a construção de uma boa trama, como a que encontramos na história de Adão e Eva, que integra o livro do Gênesis. Tal narrativa nos fornece valiosas pistas para engendrarmos outras interpretações acerca do poder e da bondade do personagem principal do livro.

Georgina Martins

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras)
Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças e jovens

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.