Batalha de gigantes

As descobertas recentes do bóson de Higgs e das ondas gravitacionais, que deram veracidade a duas grandes teorias físicas, guardam entre si uma grande incompatibilidade. Essa divergênciaocorre desde a construção das bases dessas teorias, há cerca de um século, e reflete um conflito histórico entre célebres cientistas queserviu como motor do desenvolvimento científico.

Duas descobertas recentes da física renderam o Nobel a seus autores: o bóson de Higgs – partícula responsável pela geração de massa no universo – e as ondas gravitacionais – oscilações no ‘pano de fundo’ do universo, identificado como espaço-tempo.

Esses feitos dão veracidade às grandes teorias físicas que os previram: respectivamente, a mecânica quântica, que lida com os fenômenos em dimensões atômicas e subatômicas, e a relatividade geral, teoria que explica a gravitação.

No entanto, há grande incompatibilidade entre elas, um ‘estranhamento’ que remonta a um século atrás, desde a construção de suas bases. Ela simboliza um conflito histórico entre os dois grandes porta-vozes dessas teorias, rememorando outros célebres debates entre renomados cientistas, demonstrando que nem sempre a ciência se constrói por meio de gigantes sobre ombros de outros gigantes, mas também por suas épicas batalhas intelectuais.

Gabriel Di Lemos Santiago Lima
Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca,
Unidade de Ensino Descentralizada (Nova Iguaçu, RJ)

Lucas Sigaud
Instituto de Física,
Universidade Federal Fluminense

 

 

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Como você percebe a ciência?

Quais os efeitos dos jogos digitais sobre o nosso corpo e quais benefícios eles podem nos trazer?

O mapa da Amazônia nas mãos das comunidades locais

Populações ribeirinhas, indígenas, quilombolas e extrativistas atuam, lado a lado, com pesquisadores de universidades públicas na cartografia social, em mini laboratórios espalhados por regiões remotas do país.