Dados interessantes

Que tal um jogo de dados? Para isso, usaremos dados especiais. Alerta: se mal utilizados, podem fazer com que você ganhe muito dinheiro. E, talvez, crie inimigos raivosos.

Nossos três dados (A, B e C) têm, respectivamente, os seguintes números em suas faces: (2, 2, 4, 4, 9, 9), (1, 1, 6, 6, 8, 8) e (3, 3, 5, 5, 7, 7) – sim, é isso mesmo: os números aparecem repetidos!

O jogo que propomos é o seguinte: cada jogador escolhe um dado, e os lançamentos precisam ser simultâneos. O vencedor é aquele cujo dado mostrar o maior número. Os dados, no entanto, devem ser lançados várias vezes, ou seja, as partidas devem ser longas (digamos, dezenas de rodadas).

O jogo parece justo, mas há um truque para se levar a melhor. Você, como bom esportista, deixará que seu oponente escolha um dado primeiro. Esse é o truque!  Veremos que, qualquer que seja a escolha de seu oponente, você poderá escolher um dado que, em média, ganhará de seu adversário.

O jogo parece justo, mas há um truque para se levar a melhor. Você, como bom esportista, deixará que seu oponente escolha um dado primeiro

Analisemos o confronto entre os dados A e B.

Após lançarmos esses dados, existem nove possibilidades para o par de números que saíra: (A, B): (2,1), (2,6), (2,8), (4,1), (4,6), (4,8), (9,1), (9,6) e (9,8). Cada um desses pares tem a mesma probabilidade: igual a 1/9 (ver ‘Desafio’). E em quantos lances o dado A vence o dado B? Basta contar na lista de possibilidades acima: cinco em nove. Assim, a probabilidade de A vencer B é 5/9. Isso significa que, se fizermos 99 lança- mentos, por exemplo, o dado A vencerá em cerca de 55 deles; e o dado B, em 44 deles.

E como o dado B se compara com o dado C? Nesse caso, os pares (B, C) possíveis serão:

(1,3), (1,5), (1,7), (6,3), (6,5), (6,7), (8,3), (8,5) e (8,7).  O dado B vence o C em cinco das nove possibilidades, o que dá, mais uma vez, uma probabilidade de 5/9 de B vencer C.

Finalmente, o confronto C versus A.

Aqui, as coisas não parecem boas para C… – afinal, A ganha de B, que ganha de C… Nesse confronto, os pares (C, A) serão: (3,2), (3,4), (3,9), (5,2), (5,4), (5,9), (7,2), (7,4) e (7,9).  E a contagem dá (novamente): cinco vitórias em nove para C sobre A! Ou seja, C vence A com probabilidade 5/9.

Esses dados são um exemplo de uma propriedade não-transitiva (ver ‘Pedra, papel ou tesoura?’, CH 280). Em nosso exemplo, isso significa que, em média, o dado A ganha do B; o dado B ganha do C; e o dado C ganha do A.

Portanto, a estratégia do jogo é: deixe seu oponente escolher primeiro, pois sempre há um dado com o qual você pode vencê-lo depois de muitas jogadas.

Aparentemente, o bilionário norte-americano Warren Buffet gosta muito desse tipo de jogo não-transitivo. Diz-se que, certa vez, ele desafiou seu amigo Bill Gates, também bilionário, para um ‘joguinho inocente’ de dados. Gates pediu para inspecioná-los, porque imaginou que deveria ter alguma ‘pegadinha’ – afinal, bobos eles não são!

Gates teria aceitado o jogo, mas impondo a Buffet o seguinte: “Você escolhe primeiro!”  Os dois ainda são muito amigos.

 

Desafio
Por que a probabilidade de cada par sair é a mesma?

 

Marco Moriconi
Instituto de Física,
Universidade Federal Fluminense

Matéria publicada em 01.12.2016

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Pequenas perguntas, grandes questões

Está mesmo ocorrendo um aquecimento em todo o planeta? Existe alguma relação entre as vacinas e a ocorrência de autismo? Há evidências de que os neandertais acasalaram com os humanos modernos? Confira as respostas de especialistas.

Missão espacial Gaia

Dados da segunda etapa da missão divulgados recentemente representam um salto no entendimento da origem, estrutura e evolução da Via Láctea.