Deus e o Diabo na literatura dirigida à infância

Como estratégia para conquistar as crianças indígenas, o padre jesuíta José de Anchieta valia-se de autos e recitais de poesia.

A história do livro, da leitura e da literatura dirigida à infância no Brasil,não pode ser contada sem que se reconheça a interferência direta da coroa portuguesa, representada pelos padres que aqui iniciaram o processo de aculturação dos indígenas, tendo como símbolo maior José de Anchieta.

Imbuído da missão e do desejo de converter os “selvagens”, Anchieta tinha como uma de suas estratégias de ação a conquista dos curumins pela literatura, principalmente pela leitura e representação de autos e recitais de poesias. Atraía, desse modo, as crianças das aldeias por onde passava. Tal como um flautista de Hamelin, seduzia os pequenos indígenas, arrancando-os do convívio familiar para transformá-los em aliados no processo de catequização dos pais.

Georgina Martins

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras)
Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças e jovens

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Carbono: essencial e versátil

Considerado vilão da crise climática, elemento químico é essencial para a existência de todos os organismos vivos do planeta Terra e é o mais versátil da tabela periódica, com inúmeras aplicações em nosso cotidiano.

Nióbio: salvação ou promessa brasileira do século 21?

Talvez, você já tenha lido nas redes sociais que a exploração do nióbio seria a ‘salvação’ para a economia do Brasil. Isso procede? O que é fato sobre esse elemento químico? Que propriedades o fazem tão especial?