Dormir para pensar melhor

Conclusões do diálogo entre uma professora do Ensino Médio e uma pesquisadora especialista em distúrbios do sono.

 

No ano que antecede a entrada na Universidade, a tendência dos estudantes é dormir menos para dedicar mais horas aos estudos. Mas será que esta é a decisão adequada? Quais as consequências desta escolha?Para responder é preciso levar em conta que o sono é responsável por diversas funções biológicas,entre elas a de reparar e revigorar o organismo do seu estado de vigília. Deve-se considerar também que a quantidade de sono considerada ideal varia conforme a idade e características  individuais. Mas afinal, quanto precisamos dormir?

Para recém-nascidos, por exemplo, a necessidade de sono é de 14 a 17 horas por dia. Crianças em idade escolar – no ensino fundamental I e II – necessitam de 9 a 11 horas de sono por dia. Entrando na fase adulta, um jovem de 18 a 25 anos passa a precisar de menos horas de sono, entre 7 a 9 horas, período que se faz suficiente até, aproximadamente, os 65 anos. Já os idosos, com mais de 65 anos, necessitam de 7 a 8 horas de sono por dia.

A diminuição da quantidade de sono ao longo da vida ocorre devido a adaptações do nosso cérebro, que passa a funcionar de maneiras diferentes a medida que envelhecemos.Os cientistas ainda não compreendem com clareza qual o propósito do sono. Sabe-se que ele é restaurativo, que uma noite bem dormida faz com que os indivíduos acordem bem dispostos no dia seguinte. O contrário

também é verdadeiro:quando dormimos mal, acordamos com sensação de cansaço, sonolência e nossa produtividade diminui. O sono também promove uma “limpeza” no metabolismo cerebral. Ou seja: remove resíduos neurotóxicos e de algumas substâncias, como adenosina, que se acumula durante o dia.

 

Os processos do sono

No período noturno, o corpo libera um hormônio chamado melatonina, que induz o indivíduo a um estado de sonolência. Quando começamos a dormir,os ritmos cardíaco e respiratório diminuem, os músculos começam a relaxar e ocorre queda na temperatura corporal. Picos de secreção de hormônio GH ocorrem durante o sono, contribuindo para o crescimento em crianças, trofismo (aumento de massa) muscular em adultos e regeneração celular em ambos. Outro hormônio liberado durante o sono é a leptina, relacionada ao metabolismo e à saciedade. Perto do despertar, entra em ação o cortisol, popularmente chamado hormônio do estresse, que eleva a temperatura corporal.

O sono ocorre em duas fases distintas: REM (sigla em inglês para Rapid Eye Movement ou movimento rápido dos olhos) e NREM (No Rapid Eye Movement ou ausência de movimento rápido dos olhos). De acordo com as ondas cerebrais, o movimento dos olhos e o tônus muscular, determina-se os diferentes estágios do sono. O NREM divide-se em três estágios, que vão desde o sono mais leve (N1) até o mais profundo (N3), passando pelo estágio intermediário (N2). Já o sono REM, está associado ao estágio de sonhos vívidos. Acredita-se que durante o sono REM também ocorra a consolidação da memória, fazendo com que informações importantes sejam retidas e conexões neurais menos importantes sejam removidas.

Sono e aprendizado

Durante o sono, o cérebro trabalha selecionando informações aprendidas durante o dia. Esse processo ocorre em três etapas: aquisição (registro de novas informações), consolidação (estabilização das informações) e memória (capacidade de acessar informações posteriormente). É possível, portanto, afirmar que o sono desempenha um papel na plasticidade cerebral, promovendo a formação e a manutenção de sinapses dependentes de aprendizagem. Em outras palavras, aprende-se menos quando não se dorme o suficiente, porque o sono tem um impacto na função cognitiva e na memória. Essas informações remetem às questões do início do texto:é mais vantagem dormir ou estudar uma hora a mais?

A conclusão não é das mais difíceis. O indivíduo deve dormir a quantidade de horas que lhe permita acordar revigorado, isto é, apto a desempenhar suas atividades e manter-se alerta sem esforço, mesmo em situações monótonas. E, como vimos anteriormente, a necessidade de sono varia conforme a idade. Privar-se do sono para estudar um pouco mais pode resultar em mudanças no desempenho cognitivo, no estado de alerta e na função neuro comportamental, relacionada ao controle emocional e à aprendizagem. Na prática, os estudantes podem apresentar prejuízo ao realizar uma tarefa que exija atenção e que dependam de funções cognitivas, como raciocínio-lógico, tarefas complexas de matemática, interpretação de textos e tarefas com múltiplos focos.

Corine Vanessa Los Costa

Aluna do Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional (ProfBio)
*Artigo resultante de entrevista com a pesquisadora Suely Roizenblatt, da Universidade Federal de São Paulo

Matéria publicada em 31.08.2018

COMENTÁRIOS

  • Anônimo

    Excelente texto.
    Parabéns!!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Jéssica Los

    Que bacana!!
    Muito bom texto e de extrema importância.
    Obrigada

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Anônimo

    Parabéns
    Muito bom o estudo e bem atual

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Joao Cesar

    Sensacional eu adorei.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Marcos

    Parabéns minha filha.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Antonio Santana

    Excelente artigo Parabéns pelo conteúdo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Filipe

    Muito bom e esclarecedor!!! Parabéns pelo artigo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Wallace Castro

    Muito bom o conteúdo! Parabéns!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Paula

    Excelente! Devemos atentar para isso! Em todas as idades!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Pricila Oliveira BF

    Muito interessante, adorei ler esse artigo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Romulo Macedo

    Excelente!!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Tayanghi Karina Los

    Amei o texto. Pensei inclusive sobre nos professores e as poucas horas dedicadas ao descanso.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Felipe Antunes

    Ótimo artigo! Bem explicado, linguagem mais acessível, tópicos bem aproveitados

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Ingrid Adam

    Vemos isso diariamente. Há uma solicitação antiga para mudança do horário de início de aula para respeitar o ritmo biológico dos alunos e assim contribuir com melhor desempenho escolar. Mas a força do mercado de trabalho em que os pais atua é maior e as políticas públicas não atendem às prerrogativas educacionais, e sim as demandas da associação comercial.
    Outro ponto com o mesmo problema é a entrada precoce no ensino fundamental das crianças que terá um acúmulo de problemas educacionais por volta do sétimo ano. Eu claro pelo dia em que a população escute aqueles que cuidam dos seus filhos – os professores, Parabéns, Prof Corine pela publicação, Precisaos de mais e mais como estas.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Lilian

    Excelente informação! Muitas pessoas desconhecem o quanto é importante o sono desde a fase inicial da vida e principalmente na adolescência! Parabéns!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Janio Leonardo Los

    Excelente texto, muito bem escrito. Nos dias atuais é preciso avaliar a quantidade de atividades que cada indivíduo tem para que estas atividades não atrapalhem os períodos de descanso e as atividades familiares e de lazer.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Leila Oliveira

    Parabéns pelo artigo e pela dedicação, conteúdo muito informativo, para repensar o valor do descanso.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Rafael Ramos

    Excelente texto. Deve publicar mais.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Rosana Flenik

    Olá Corine!
    Parabéns pelo artigo. Vou recomendar aos meus estudantes. Estão precisando muito dessas informações para rever a importância do sono X aprendizado.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Taysa Junkes

    Muito pertinente a discussão e os esclarecimentos, Parabéns pela produção!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Juliane Nonato

    Que bacana Corine! Parabéns! Muito bom mesmo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Tânia Brizola Los

    Parabéns corine!! Pra mim foi ótimo esse texto, quanta coisa eu não sabia.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Anônimo

    Muito bom o artigo, parabéns Corine !!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Carolina Lino

    Oi Corine,
    Parabéns pelo artigo, muito bom o texto para trabalharmos em sala!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Dirceu

    Excelente artigo… muito pertinente! Parabéns…

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Simone Afynowycz

    Parabéns!! Excelentes observações!!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Caroline Pacievitch

    Excelentes as conclusões: cada um deve dormir o que for necessário conforme seu corpo sente. Mas é importante considerar as médias para estabelecer horários saudáveis de trabalho e de estudo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Cesar Augusto

    Interessante, uma boa noite de descanso ajuda e muito no dia seguinte.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Juliano

    Ótimo artigo!!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Gilberto Paulino

    Parabéns pela publicação!
    Artigo com rico conteúdo, lembrando informações já conhecidas, bem como a adição de conhecimento. Assim podemos aprender um pouco mais sobre os males e os benefícios do sono.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Simone

    Parabéns pelo artigo Corine! O sono ou a falta dele reflete no humor, crescimento intelectual …entre tantas eficácias , a melhoria na qualidade de vida!! Pra tudo se dá um jeito menos para a força do sono onde a única solução é dormir, e que se permita ser com boa qualidade! Sucesso!!!

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Bruno Coutinho

    Muito interessante, parabéns pelo artigo.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Abel Edson Miguel

    Gostei do seu texto, abrangente, conciso e claro. Você consegue com este artigo o despertar de muitos para com um assunto atual e relevante (assunto este que aflige pais e educadores). Concordo contigo sobre a importância de noites bem dormidas, mas em decorrência de hábitos modernos (ficar até tarde assistindo televisão ou manuseando plataformas digitais etc.) as pessoas dormem cada vez menos, e isso está afetando o desempenho acadêmico e a qualidade de vida dos estudantes.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • Alex Sanndre

    Texto muito bem escrito, nos dias de hoje com a quantidade de tarefas, principalmente depois de ter filhos, parece que 24 horas ė pouco, mas se não saldamos essa dívida o corpo nos cobra com juros.

    Publicado em 3 de setembro de 2018 Responder

  • marcela Gomes

    Parabéns pela matéria, o conhecimento não é paliativo e sim preventivo.

    Publicado em 4 de setembro de 2018 Responder

  • Leandro Mota

    O texto ajuda muito não só aos estudantes, mas também essa geração que troca o dia pela noite. Sou bombeiro e o sono arrasa com a gente. Espertos são as pessoas de roça que dormem bem cedinho, primeiro que livram de serem influenciados pelas novelas e outros programas, segundo que descansam o corpo e a alma com uma boa qualidade de sono. Parabéns pelo texto!

    Publicado em 4 de setembro de 2018 Responder

  • Elizabeth Magalhães

    Excelente!!! A questao da quantidade de horas a dormir depende realmente de cada corpo. Quando não se respeita este tempo, o nosso dia não é o mesmo. É notório a resposta da noite mal dormida.

    Publicado em 4 de setembro de 2018 Responder

  • Danilo Francisco Los

    Muito bom o artigo, bem escrito e fácil de entender. Acredito que isso vale também para os adultos, que trabalham durante o dia e não descansam bem a noite, o desempenho profissional fica prejudicado. As redes sociais podem ser vilãs nesse caso, temos que saber dosar…

    Publicado em 4 de setembro de 2018 Responder

  • Nahiny

    Demais … Excelente o artigo !!!!
    Parabéns …

    Publicado em 4 de setembro de 2018 Responder

  • Gabi

    Texto espetacular!! Incrível o artigo

    Publicado em 5 de setembro de 2018 Responder

  • Rute Freiman

    Lindíssimas, falaram tudo!!

    Publicado em 5 de setembro de 2018 Responder

  • Jussara Lemos

    Parabéns por transformar conhecimento científico em linguagem acessível e útil à comunidade!

    Publicado em 11 de setembro de 2018 Responder

  • ADRIANA CRISTINA CABRAL DA SILVA TEXEIRA – Aluno

    Ótimo texto importante para orientar os jovens sobre a necessidade de uma noite bem dormida,

    Publicado em 10 de janeiro de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.