Ensino de música: há salas adequadas?

A obrigatoriedade do ensino de música nas escolas de nível básico entra em vigor no início deste ano letivo. Dentro das aulas de artes, as crianças passarão também a aprender música. É o ideal de Villa-Lobos se concretizando? Na teoria, sim. Na prática, o Brasil esbarra em um considerável déficit de professores capacitados para ensinar música, mas esse não é o único desafio.

Além de discussões sobre como a música deverá ser ensinada, as escolas dificilmente terão espaços especializados para a educação musical, seja para ouvir música, tocar instrumentos ou cantar, e as questões acústicas parecem ser graves. Esse último problema será tratado aqui.

Se a construção e ampliação dos espaços destinados à educação básica ainda enfrenta dificuldades no Brasil, a funcionalidade dos já existentes também é, com frequência, deficiente. Os problemas da qualidade do ensino se originam em edifícios degradados ou originalmente não projetados para esse fim.

Quanto à adequação acústica das salas para ensino de música, destacam-se duas preocupações: a) isolamento acústico em relação aos ruídos externos; b) tratamento acústico adequado do interior dessas salas.

Condições especiais

Inicialmente, é preciso ressaltar que as especificidades de uma sala para aulas expositivas são diferentes daquelas de um espaço destinado ao ensino de música. As salas de aula usadas para a maior parte das disciplinas escolares devem primar por aquilo que, em acústica, se chama inteligibilidade da fala, ou seja, a possibilidade de entender bem todo o discurso do professor.

Problemas de comunicação são comuns, por exemplo, em escolas que carecem de forros especiais ou cortinas, materiais que, se usados adequadamente, podem reduzir de modo satisfatório a reverberação – caracterizada pela percepção de um prolongamento do som original, decorrente do confinamento do espaço e do predomínio de superfícies duras, nas quais o som se reflete.

Devido à reverberação, em espaços pequenos e sem materiais apropriados, os sons podem ficar ‘embaralhados’ e a voz do professor pode não ser entendida com clareza, dificultando a concentração dos alunos e, em consequência, o aprendizado. 

No que se refere às particularidades da educação musical, é preciso considerar dois aspectos fundamentais: a apreciação e a prática musical

No que se refere às particularidades da educação musical, é preciso considerar dois aspectos fundamentais: a apreciação (audição de repertório musical, em geral por meio de aparelhos de som) e a prática musical (interpretação e criação de música, com o uso de instrumentos musicais, da voz e de outros materiais).

Se o volume da sala for demasiado pequeno, ocorrerá falta de reverberação e um possível excesso de amplificação dos sons. Se a sala for revestida por materiais muito absorvedores de som, exigirá que os exemplos musicais sejam ouvidos no volume máximo do aparelho de som e induzirá alunos e professores a praticarem a música no limite de intensidade vocal ou instrumental.

Cabe destacar que o objetivo principal da educação musical é ampliar a capacidade auditiva dos alunos, o que inclui perceber como o som é projetado no ambiente e como o ambiente responde ao som. Isso requer a ajuda do professor.

Você leu apenas o início do artigo de opinião publicado na CH 289. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral. PDF aberto (gif)


Aloísio Leoni Schmid
Guilherme Romanelli
Thiago Corrêa de Freitas
Letícia de Sá Rocha
Márcio Henrique Carboni

Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Matéria publicada em 27.02.2012

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Qual a relação entre religião e bondade?

A religiosidade está associada a atos que promovam o bem-estar do outro? Como explicar a ambiguidade entre o discurso religioso de amor e as guerras e perseguições motivadas por crenças religiosas?

Saúde pública X privada

Qual o futuro do SUS? O que fazer para garantir o direito à saúde da população?