Física e ciência, substantivos femininos

Professora titular da UFRJ relembra a ebulição do movimento feminista durante seu doutorado em Berkeley (EUA) e revela o que considera a melhor estratégia para empoderar mulheres cientistas.

A física sempre me fez sentir estimulada e confortável, mesmo antes da universidade. Se vivi algum momento de indecisão, bastou uma semana frequentando o curso normal, de formação de professores, para perceber que aquele não era meu lugar. Quase imediatamente, voltei ao ‘científico’ (que correspondia, até o início dos anos 1970, ao ensino médio, mas focado nas ciências exatas, enquanto o ‘clássico’ era voltado às humanas). No curso, os livros eram da série PSSC (Physical Science Study Committee), projeto criado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e trazido para o Brasil na década de 1960; e neles encontrei, quase que brincando, demonstrações de como os gigantes de As viagens de Gulliver seriam esmagados pelo próprio peso se viessem ao nosso mundo, e também de que a intensidade da luz varia com o inverso do quadrado da distância da fonte. Tudo sem uma fórmula a decorar.

Assim, decidi bem cedo ser física. A profissão era pouco comum, o que motivou um episódio curioso. Meu pai conseguiu contatar um pesquisador do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e o convidou a nos visitar. Em um sábado, o físico apareceu e começou a me fazer perguntas simples de matemática e física, que respondi apressada porque tinha um encontro marcado na praia. Fiquei sabendo depois que meu pai entrevistou o físico perguntador para saber se era possível sobreviver trabalhando com física, e se eu teria chance. As respostas às duas perguntas foram positivas, e aqui estou…  Devido à pressa, não fixei o nome daquele físico, hoje gostaria de saber quem foi.

A física Belita Koiller recebeu, em 2005, Prêmio Internacional L’Oreal-Unesco Para Mulheres na Ciência para a região da América Latina e Caribe.
Foto: Arquivo pessoal

Para mim, fazer física é uma sucessão de desafios a enfrentar. A pesquisa pelas respostas é muitas vezes prazerosa, e chegar a resultados novos é gratificante.

Belita Koiller

Instituto de Física
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

As várias faces do carbono

Ele é considerado o elemento da vida, mas também é apontado como responsável pelo aquecimento global. O que faz esse elemento químico ter diferentes faces?

Vacinas, para que as quero?

O mecanismo que torna esses imunológicos mais duradouros ou não ainda segue sem resposta. Mas ninguém deveria duvidar de seu poderoso efeito protetor.