Horizontes das ciências sociais no Brasil

As ciências sociais sempre estiveram atormentadas por uma ambição e um dilema. Elas ambicionam tornar-se a forma habitual e autorizada de reflexão de uma sociedade complexa sobre si mesma. Essa pretensão carrega um preço: a necessidade de articular acessibilidade e cientificidade, demanda que muitas vezes surge sob a forma de um dilema. Como todas as ciências modernas, elas são um modo racional de resolver problemas, escolhidos pelos seus praticantes e/ou pela sociedade.

Para as ciências sociais, a acessibilidade é tão relevante quanto a sua cientificidade

Desse ponto de vista, não se distinguem da física, considerada a ciência modelar da modernidade. Mas dela se diferenciam pelo objeto, com consequências de monta, e pela exigência de acessibilidade que, no caso da física, poderia significar uma ameaça fatal ao seu desenvolvimento. Para as ciências sociais, a acessibilidade é tão relevante quanto a sua cientificidade, de tal modo que elas estão sempre submetidas a uma dupla tentação, ou tensão: a de se fecharem em um domínio exclusivo de poucos iniciados – à maneira da física – ou de se transformarem em um mero discurso persuasivo, protegido pela aura paradoxal da razão. Entre Cila e Caríbdis, elas, no entanto, se movem.

Essas observações vêm a propósito de uma coletânea lançada pela Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs) no fim de 2010, com o título Horizontes das Ciências Sociais no Brasil, destinada a levar a um público mais amplo o que vem sendo feito nas últimas décadas pela nossa antropologia, nossa ciência política e nossa sociologia. A coletânea, coordenada por Carlos Benedito Martins, é composta de três volumes, cada um deles cobrindo a produção dessas áreas.

Os organizadores dos volumes são os primeiros a concordar que não foi possível retratar fielmente a complexidade constitutiva das ciências sociais no Brasil contemporâneo. Mas nem era essa a intenção, dados o tempo e o espaço disponíveis. O valor dessa coletânea pode ser estimado, no entanto, pela lembrança das exigências postas às ciências sociais – a da cientificidade e a da acessibilidade –, sem as quais elas não cumprem a sua ambição maior.

A coletânea é uma reflexão dos cientistas sociais sobre sua própria prática. Mas é também uma prestação de contas à sociedade

De um lado, a coletânea é uma reflexão dos cientistas sociais sobre sua própria prática, que implica a permanente eleição de problemas e a escolha dos modos de enfrentamento e resolução desses mesmos problemas. Ainda que nem tudo esteja considerado, a coletânea é uma revelação do modo de proceder das ciências sociais no país, capturando a dinâmica que comanda a constituição de campos temáticos fundamentais e o desdobramento do debate que lhes oferecem profundidade e eficácia. Assim, os vários artigos reunidos expõem a natureza metódica do empreendimento das ciências sociais entre nós.

De outro lado, essa exposição é feita tanto para os próprios cientistas – ou para estudantes de ciências sociais – quanto para a sociedade. De tal modo que esta possa julgar se o elenco dos problemas estabelecidos pelas ciências sociais corresponde, de fato, aos problemas que ela julga cruciais, e se a reflexão desenvolvida por elas pode efetivamente significar passos decisivos na resolução dos desafios que ela vê como urgentes.

É possível dizer que, na sua forma e no seu conteúdo, esta coletânea expressa a confiança de uma comunidade de cientistas no seu modo de proceder e na relevância de seu trabalho. Mas é também uma prestação de contas à sociedade, é um movimento de abertura e de convite para que ela faça das ciências sociais uma de suas armas reflexivas.

Você leu a resenha da coletânea Horizontes das Ciências Sociais no Brasil publicada na CH 291. Clique no ícone a seguir para baixar as resenhas de cada volume.

PDF aberto (gif)

Rubem Barboza Filho
Departamento de Ciências Sociais
Universidade Federal de Juiz de Fora

Matéria publicada em 07.05.2012

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Missão espacial Gaia

Dados da segunda etapa da missão divulgados recentemente representam um salto no entendimento da origem, estrutura e evolução da Via Láctea.

Infecções neonatais ou na gestação e doenças neurodegenerativas

Pesquisadora da UFRJ fala sobre relação entre os fatores ambientais presentes no início da vida e o desenvolvimento de doenças no futuro.