Juízo final

Previsões catastrofistas como a de uma sexta extinção em massa têm apoio de cientistas, que atribuem a responsabilidade ao Homo sapiens.

Uma das atrações do início do ano são as previsões. Nessa arena, os videntes têm a sua chance de vaticinar com liberdade, sendo que, tradicionalmente, a maior atenção é dirigida aos catastrofistas. Nesta última categoria, o fim do mundo tem sido anunciado de maneira mais ou menos regular; em geral, com base nas interpretações de profecias que costumam ser vagas e/ou ambíguas. Nelas, o perigo vem de fora: são colisões de asteroides gigantes, dilúvios pós-bíblicos e invasões de extraterrestres.

Com exceção de um número reduzido de adivinhos que adquiriram lastro histórico – o médico e alquimista francês Nostradamus (1503-1566) vem à mente –, poucos são levados a sério, devido à natureza folclórica de suas predições. Mas, agora, os próprios cientistas juntam-se às fileiras dos profetas.

Em questão de décadas, a biosfera do planeta poderá mudar de modo irreversível, caso não haja imediato e efetivo controle das emissões de gases pelos países mais poluentes.

Franklin Rumjanek
Instituto de Bioquímica Médica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.