Lições de Maria Tifoide

Caso de cozinheira norte-irlandesa com febre tifoide, mas sem sintomas, foi emblemático no século 19. Pacientes como ela exercem papel importante na disseminação da atual pandemia.

Natural da Irlanda do Norte, Mary Mallon nasceu no mesmo ano de Mahatma Gandhi, em 1869. Diferentemente do famoso líder político indiano, Mary teve uma vida bem menos ilustre, mas igualmente peculiar. Emigrou ainda jovem para os Estados Unidos, aos 14 anos de idade, fugindo dos desmandos do Império Britânico. Mais essa característica colocou Mary e Gandhi em rota de convergência.

Mary Mallon se contaminou com febre tifoide em algum momento da sua adolescência. Caracterizada clinicamente por temperatura corporal alta, dor de cabeça, diarreia e dor abdominal, a febre tifoide, na época, era vista como uma doença das moradias aglomeradas, associada à pobreza e à falta de saneamento. O organismo da jovem conseguiu, no entanto, deter os efeitos nocivos da bactéria Salmonella (sorotipo Typhi), já então reconhecida como causa da doença. Mary, porém, continuou a transmitir a enfermidade, ainda que estivesse aparentemente sadia. Na verdade, ela nem desconfiava que havia adoecido e que, involuntariamente, era capaz de passar a doença a outras pessoas.

Omar Lupi da Rosa Santos

Academia Nacional de Medicina

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje