Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência

Retrato de Mary Anning com seu cão Tray. Museu de História Natural de Londres, Reino Unido.

Mary Anning nasceu em 1799 em Lyme Regis, cidade situada em uma região no sul da Inglaterra, tombada como patrimônio mundial da humanidade por suas falésias, que contêm formações rochosas dos períodos Jurássico e Cretáceo (entre 204 a 65 milhões de anos) e expõem milhões de anos da história da Terra. Essa rica costa era o quintal de Mary, filha de um carpinteiro que colecionava e vendia ‘curiosidades’ encontradas nas praias locais.  Foi com ele que Mary e seu irmão aprenderam a reconhecer e retirar, cuidadosamente, das rochas fósseis de todos os tipos.  Após a morte do pai, sua família passou a depender da ajuda paroquial e o pequeno orçamento era complementado com a comercialização de fósseis – em sua maioria, amonitas e belemnitas (cefalópodos extintos).

Ana Lucia Giannini

Departamentode Genética,
Instituto de Biologia,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Nióbio: salvação ou promessa brasileira do século 21?

Talvez, você já tenha lido nas redes sociais que a exploração do nióbio seria a ‘salvação’ para a economia do Brasil. Isso procede? O que é fato sobre esse elemento químico? Que propriedades o fazem tão especial?

Deus e o Diabo na literatura dirigida à infância

Como estratégia para conquistar as crianças indígenas, o padre jesuíta José de Anchieta valia-se de autos e recitais de poesia.