Museu Nacional resiste

Na noite do dia 2 de setembro último, um incêndio de grandes proporções atingiu o Museu Nacional, localizado na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro (RJ), destruindo a quase totalidade de seu acervo histórico e científico construído ao longo de 200 anos, além do edifício que o abrigava e que foi residência oficial dos imperadores do Brasil. Com sua vocação de pesquisa natural e social, o Museu se mantém vivo graças ao seu corpo de professores e estudiosos que buscam incansavelmente preservar o seu legado.

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.
FOTO: FERNANDO FRAZÃO – AGÊNCIA BRASIL

Em setembro de 2018, coleções científicas ímpares da cultura natural e social arderam em chamas insensíveis. Porém, a história dessas coleções, que fizeram a grandeza do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, jamais será apagada. Poderá ser constantemente revivida em documentos imateriais.

O museu é uma das mais antigas instituições de ciências naturais da América. Foi criado em 1818 por D. João VI, dando início a atividades de coleta de plantas, animais e, principalmente, minerais nos arredores da cidade do Rio de Janeiro e nas províncias. Inicialmente, as especialidades da instituição eram mineralogia, botânica, zoologia e etnografia, logo acrescidas de geologia, arqueologia, antropologia, fisiologia e entomologia. O conhecimento dos produtos da natureza estava imbricado à circulação científica internacional e às demandas do movimento socioeconômico universal e nacional.

Desde a sua criação, o Museu Nacional esteve ligado a vários ministérios (da Secretaria dos Negócios do Reino aos ministérios da Instrução Pública Correios e Telégrafos; da Agricultura, Indústria e Comércio; e da Educação e Saúde Pública, entre outros) até que, em 1946, a instituição de tradição científica centenária, com então 128 anos de existência, passou ao âmbito da Faculdade Nacional de Filosofia, da Universidade do Brasil. Permanece ainda hoje ligado à mesma instituição, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Heloisa M. BertolDomingues

Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.