Na estante

Física de partículas para crianças

Livro sobre física de partículas para crianças pode ser opção interessante para inspirar pais e professores na abordagem do tema.

De que são feitos os objetos, as plantas, os animais? A pergunta, que é tão antiga quanto a curiosidade humana, deu origem a um ramo da ciência, a Física de Partículas. Para tentar encontrar uma resposta para essas perguntas cientistas recorrem a modelos matemáticos complexos, a aceleradores de partículas poderosos e constroem sistemas de detecção enormes.

Levar um pouco do que move esses cientistas para alguém que não faz parte do meio científico já não é uma tarefa simples, escrever sobre a Física de Partículas para crianças é ainda mais desafiador. Seria possível tratar de um tema tão complexo e abstrato de forma compreensível e atraente? É preciso muita motivação e principalmente coragem para encarar esse desafio. Foi isso que a física Elika Takimoto se propôs a fazer em seu livro Isaac no mundo das partículas, ilustrado por Sérgio Ricciuto Conte. O resultado é uma bela obra, que pais e professores de ciências podem ler junto com as crianças para que percebam, desde cedo, o quanto as questões da física estão relacionadas com a observação da natureza.

Isaac no mundo das partículas
Elika Takimoto
Rio de Janeiro, 2017, 72p.

Leandro Salazar de Paula

Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Combate ao racismo começa na escola

Ensinar sobre a herança e o conhecimento africanos e as marcas deixadas pelo povo negro na cultura brasileira é uma forma de contribuir para uma educação antirracista e para a eliminação do preconceito e da discriminação

O HIV e os aplicativos de encontro

A infecção por HIV atinge desproporcionalmente a população LGBT. Há uma estimativa de que um em cada quatro homens que fazem sexo com homens, em São Paulo, conviva com o vírus. Será que o uso de aplicativos de encontro contribuiriam para aumentar o número de parceiros sexuais e de relações ‘desprotegidas’? Será que as pesquisas confirmam esta hipótese? Qual a sua opinião? Participe do chat da Ciência Hoje.