Não penso, logo resisto

Apesar das estatísticas e dos números endossados por cientistas, um contingente considerável de pessoas ainda toma decisões com base em reações emocionais.

Por que a divulgação da ciência encontra tanta resistência em alguns círculos? Transmitir ao público interessado dados confiáveis e de fácil compreensão sobre tudo o que está acontecendo no mundo não parece ser bastante; principalmente no que tange às mudanças ambientais.

Um exemplo é o excelente documentário Uma verdade inconveniente,sobre aquecimento global, feito em 2006 pelo político norte-americano Al Gore. Trata-se de um trabalho cuidadoso, exaustivo, que primou pelo didatismo, apresentando o problema de maneira clara, contando com gráficos informativos e de formato atraente. Propostas de soluções também estavam lá.

O documentário deveria ter engajado o público e autoridades competentes e, assim, ajudar a reformar as atitudes frente ao gravíssimo problema ambiental da gestão responsável da energia. No entanto, o filme atraiu uma enxurrada de críticas e respostas negativas, partindo de fontes mal informadas, ou simplesmente maliciosas.


Por que a opção pela pseudociência reacionária? Uma interpretação possível é a de que o público em geral não consegue fazer uma avaliação realista dos riscos em pauta.

Franklin Rumjanek
Instituto de Bioquímica Médica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Inteligência artificial, para onde vamos?

Inteligência Artificial (IA) é um tema que atrai muita atenção e parece sempre remeter ao futuro. Mas ela já faz parte do nosso dia a dia há tempos. A questão é: para onde a IA pode nos levar?