Nem básica, nem aplicada

Existe apenas um tipo de ciência. São seus resultados que levam a diferentes aplicações.

 

Muitas das facilidades que temos em nosso cotidiano vêm de descobertas científicas que, em um primeiro momento, não pareciam ter nenhuma utilidade. Quando se descobre ou se inventa algo novo, não sabemos o que o futuro reserva.

Existe, por exemplo, a célebre história atribuída ao político e cientista norte-americano Benjamin Franklin (1706-1790), que sugere que, ao assistir o primeiro voo tripulado em um balão, nos arredores de Paris, em novembro de 1783, ele teria ficado espantado com a façanha. Ao ser questionado por pessoas no local sobre a utilidade do invento, Franklin teria respondido: “É uma criança que acaba de nascer, não sabemos o que se tornará”.

Adilson de Oliveira

Departamento de Física,
Universidade Federal de São Carlos (SP)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.