Novo quilograma: A revolução metrológica que acaba de começar

Ir além da teoria das salas de aula pode ajudar estudantes a se interessarem mais pela disciplina e a contribuírem para a conservação de aves em nível mundial.

Desde os primórdios da civilização, medir é um ato essencial. Isso vale em áreas tão diversas quanto comércio, indústria, saúde, consumo, meio ambiente, ciência e tecnologia (C&T). Estima-se que de3% a 6 % do Produto Interno Bruto (PIB) de países industrializados sejam gastos em atividades de medição.

Medições precisas, estáveis e confiáveis são a base de avanços científicos e tecnológicos das últimas décadas. Exemplos: o GPS e a microeletrônica só se tornaram viáveis por causa de medições suficientemente precisas e confiáveis, de tempo e comprimento, respectivamente.

Face à importância de medições, surgem perguntas fundamentais: qual o grau de confiança? Qual a incerteza, estabilidade e aceitabilidade (pelos agentes interessados) do valor obtido?

As respostas (por vezes, complexas) para essas questões são tão cruciais que existe uma importante disciplina do conhecimento científico e tecnológico voltada exclusivamente para a medição: a metrologia.

Protótipo internacional do quilograma, sob custódia do Birô Internacional de Pesos e Medidas, em Sèvres (França)
Crédito: BIPM

João A. H. da Jornada

Instituto de Física,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Carbono: essencial e versátil

Considerado vilão da crise climática, elemento químico é essencial para a existência de todos os organismos vivos do planeta Terra e é o mais versátil da tabela periódica, com inúmeras aplicações em nosso cotidiano.

Nióbio: salvação ou promessa brasileira do século 21?

Talvez, você já tenha lido nas redes sociais que a exploração do nióbio seria a ‘salvação’ para a economia do Brasil. Isso procede? O que é fato sobre esse elemento químico? Que propriedades o fazem tão especial?