O caminho até o ‘Nobel’ da Educação

Com formação em ciências humanas, docente da rede pública de São Paulo revela como passou a dar aulas de robótica e foi reconhecida como uma das dez melhores professoras do mundo em 2019.

Uma professora com formação em ciências humanas que ensina robótica em escola pública e foi reconhecida pelo Global Teacher Prize 2019, considerado o Nobel da Educação, como uma das dez melhores docentes do mundo. As coisas parecem não se encaixar, mas esta é a minha história.

Na infância, eu já tinha segurança de que o meu caminho seria lecionar. Fui construindo os meus estudos para seguir na docência: comecei pelo magistério, segui para a faculdade de letras epedagogia, depois para a especialização em língua portuguesa e, no momento, estou cursando o mestrado em educação.

No meio dessa trajetória, para custear os meus estudos e ajudar em casa, tive que largar a educação e trabalhar em indústria. Foi onde adquiri minha segunda paixão: as tecnologias. A oportunidade de trabalhar em uma indústria (que fabricava placas de circuito impresso) me deu a visão de que a tecnologia precisa estar presente nas salas de aula.

Débora Garofalo

Rede Municipal de Ensino de São Paulo

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.