O centenário do castelo da ciência

Do sonho de Oswaldo Cruz ao trabalho permanente de preservação do patrimônio histórico, conheça o passado, o presente e o futuro do edifício-sede da Fundação Oswaldo Cruz, construção em estilo mourisco que se tornou um dos marcos da paisagem carioca.

 

Levantar um imponente castelo em estilo árabe, bem ao lado da Avenida Brasil, em plena Zona Norte do Rio de Janeiro, para abrigar laboratórios. Se fosse proposta hoje, no centenário da conclusão da obra do edifício-sede da Fundação Oswaldo Cruz, a ideia, certamente, seria considerada absurda. Mas essa construção – emblemática da paisagem carioca – foi imaginada, justamente, por Oswaldo Cruz. Foi ele mesmo, o bacteriologista, sanitarista, epidemiologista, um dos maiores nomes da ciência brasileira, que desenhou, do próprio punho, o primeiro croqui do prédio, que foi muito modificado, mas serviu de inspiração inicial para o projeto do engenheiro português Luiz Moraes Jr.

Renato da Gama-Rosa Costa Marcos José de Araújo Pinheiro

Casa de Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.