O centenário do castelo da ciência

Do sonho de Oswaldo Cruz ao trabalho permanente de preservação do patrimônio histórico, conheça o passado, o presente e o futuro do edifício-sede da Fundação Oswaldo Cruz, construção em estilo mourisco que se tornou um dos marcos da paisagem carioca.

 

Levantar um imponente castelo em estilo árabe, bem ao lado da Avenida Brasil, em plena Zona Norte do Rio de Janeiro, para abrigar laboratórios. Se fosse proposta hoje, no centenário da conclusão da obra do edifício-sede da Fundação Oswaldo Cruz, a ideia, certamente, seria considerada absurda. Mas essa construção – emblemática da paisagem carioca – foi imaginada, justamente, por Oswaldo Cruz. Foi ele mesmo, o bacteriologista, sanitarista, epidemiologista, um dos maiores nomes da ciência brasileira, que desenhou, do próprio punho, o primeiro croqui do prédio, que foi muito modificado, mas serviu de inspiração inicial para o projeto do engenheiro português Luiz Moraes Jr.

Renato da Gama-Rosa Costa Marcos José de Araújo Pinheiro

Casa de Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Nióbio: salvação ou promessa brasileira do século 21?

Talvez, você já tenha lido nas redes sociais que a exploração do nióbio seria a ‘salvação’ para a economia do Brasil. Isso procede? O que é fato sobre esse elemento químico? Que propriedades o fazem tão especial?

Deus e o Diabo na literatura dirigida à infância

Como estratégia para conquistar as crianças indígenas, o padre jesuíta José de Anchieta valia-se de autos e recitais de poesia.