O desafio para compreender a natureza

Hoje, de um cantinho insignificante do universo, somos capazes de entender um sem-número de fenômenos cósmicos. Essa história começou com a observação do céu e a tentativa de entender o movimento da Terra e dos planetas.

Os fenômenos naturais sempre despertaram nosso interesse – afinal, muitos deles nos afetam diretamente. Mas sua compreensão foi, como regra, desafiadora. Em um primeiro momento, foi natural surgirem explicações baseadas em mitos e lendas. Ao olhar para o céu e notar a persistência dos movimentos celestes, imaginávamos que lá era a morada dos deuses.

No alvorecer da civilização helênica (por volta do século 5 a.C.), a observação contínua do céu, somada aos avanços da matemática, permitiram descrever fenômenos planetários a partir de representações geométricas. Exemplo famoso: a determinação da circunferência da Terra feita pelo grego Erastóstenes (276-194 a.C.), que, ao observar o comprimento das sombras projetadas no solstício de verão nas cidades de Siena (norte da África) e Alexandria (Europa), calculou a circunferência da Terra com um erro mínimo, em comparação a valores atuais. Com isso, outro grego, Hiparco (190-120 a.C), pode calcular a distância Terra-Lua com base no tempo de duração de um eclipse lunar.

Adilson de Oliveira

Departamento de Física,
Universidade Federal de São Carlos (SP)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje