O espírito viajante e observador de Oswaldo Cruz

Andanças do cientista pelo mundo estão registradas em cartas que revelam épocas difíceis durante a Primeira Grande Guerra.

Oswaldo Cruz (1872-1917) era um viajante incansável: percorreu o Brasil de norte a sul e visitou inúmeros países na Europa e nas Américas. Sua primeira viagem foi em 1877, aos cinco anos de idade, quando seus pais se mudaram de São Luiz do Paraitinga, em São Paulo, para o Rio de Janeiro.

No bairro do Jardim Botânico, onde foi morar com a família, conheceu Emília Fonseca, a Miloca, sua companheira da vida inteira. Com ela, esteve pela primeira vez em Paris, para fazer o curso de especialização em microbiologia no Instituto Pasteur. O casal embarcou em 1897 para a capital francesa com dois filhos pequenos, Lizeta e Bento, e lá nasceria a terceira filha, Hercília. Voltaram em 1898.

Depois disso, Oswaldo Cruz não parou mais. Sempre a trabalho, foi para Berlim, Paris, Londres, Washington, Nova York, Cidade do México, Dresden (Alemanha), Buenos Aires, Montevideu, Assunção… Conheceu todos os portos fluviais e marítimos do Brasil, foi até a região onde se construía a estrada de ferro Madeira-Mamoré, em Porto Velho, além de visitar Manaus e Belém.

Ana Luce Girão Soares de Lima
Departamento de Arquivo e Documentação,
Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Combate ao racismo começa na escola

Ensinar sobre a herança e o conhecimento africanos e as marcas deixadas pelo povo negro na cultura brasileira é uma forma de contribuir para uma educação antirracista e para a eliminação do preconceito e da discriminação

O HIV e os aplicativos de encontro

A infecção por HIV atinge desproporcionalmente a população LGBT. Há uma estimativa de que um em cada quatro homens que fazem sexo com homens, em São Paulo, conviva com o vírus. Será que o uso de aplicativos de encontro contribuiriam para aumentar o número de parceiros sexuais e de relações ‘desprotegidas’? Será que as pesquisas confirmam esta hipótese? Qual a sua opinião? Participe do chat da Ciência Hoje.