O que é o Diabo na cultura pop?

De vilão a herói, o demônio é representado de diferentes formas e aparece com frequência em filmes, séries, histórias em quadrinhos e até desenhos animados.

Velha conhecida da cultura cristã, a figura do Diabo – e suas variações (Lúcifer, Satanás, Belzebu, Barrabás, Pazuzu e outros seres infernais) – passou a fazer parte da cultura pop também. Na posição de Anticristo por quase 2 mil anos, ele cumpre um papel fundamental na tradição cristã. Nos processos inquisitoriais europeus de condenados por fazerem um pacto com ‘ele’, o Diabo é representado frequentemente por vozes e zunidos, redemoinhos de ventos e vapores de enxofre, assumindo muitas vezes uma forma física, com certa preferência pela figuração zoomórfica, ou seja, metade homem, metade animal.

Apesar de no século 14 e 15 existir uma imagem tradicional do demônio como grande sábio, a opinião mais difundida hoje em dia prefere acentuar suas características de caluniador, enganador de espíritos fracos e tentador malicioso.

Esse ser, que causa sentimentos tão diversos na humanidade – como admiração, medo, respeito –, tem aparecido com certa frequência em filmes, séries, histórias em quadrinhos e até desenhos animados. Em muitos casos, surge de forma desconstruída e até cartunesca.

Demônios animados

Em South Park, série animada criada por Trey Parker e Matt Stone destinada ao público adulto, Satan – como é chamado – é musculoso e tem cara de mau. Mas, enquanto age de modo duro e intimidador durante seu ‘trabalho’, tem realmente um bom coração, é sensível e adora números musicais. Na série, tem um relacionamento amoroso e abusivo com o ex-ditador iraquiano Saddam Hussein e recorre a Deus para superar as dificuldades da relação. Atualmente está solteiro.

Outra representação do Diabo é Ele, de As meninas superpoderosas, desenho criado por Hanna-Barbera em 1995. Ele tem pele vermelha, garras de caranguejo, uma saia rosa de balé, maquiagem e longas botas pretas. Sua voz – tanto a original quanto a da dublagem – é aguda e grave e ele tem um comportamento afeminado, características que lhe dão um aspecto andrógeno. O desenho sofreu duras críticas de uma ala conservadora norte-americana, principalmente a religiosa, que não aceitava um personagem que poderia ser homossexual e que também se parecia com o Diabo.

Assim como essas duas representações do Diabo, Bum Defora, do desenho A Vaca e o Frango (1995), também é vermelho, possui chifres e tem uma fisionomia que mais aparenta um animal. Esse personagem é um incompetente inimigo, vilão e, às vezes, amigo, que tenta atrapalhar – ou ajudar – a vida da Vaca e do Frango, irmãos protagonistas do seriado. Costuma se disfarçar de diferentes figuras para conseguir alcançar seus objetivos, mas geralmente é representado nu. No episódio-piloto do desenho, Bum Defora foi originalmente retratado como o próprio Diabo que tentava atrair o Frango para o inferno. Já nos episódios posteriores, passou a ser apresentado apenas como um ser de cor vermelha que atormenta a vida dos protagonistas.

 

Herói e vilão

Apesar de muito conhecido pelos filmes, Hellboy é um personagem de história em quadrinhos criado por Mike Mignola no início da década de 1990 e representa um grande ser diabólico, vermelho, musculoso, com uma cauda e chifres que são cortados e aparados para não crescerem. Vale ressaltar que Hellboy é filho de uma feiticeira com um demônio. Diferente dos personagens anteriores, ele é um herói que se aventura combatendo o mal, como lobisomens, vampiros, bruxos, nazistas, em diversos cantos do planeta. Nosso herói vermelho tem também uma grande manopla de pedra acoplada à sua mão direita.

Outro personagem que surgiu nos quadrinhos e que em breve deverá aparecer nos cinemas é o vilão Mephisto, da Marvel. Ele é um demônio que controla uma dimensão chamada por ele próprio de ‘Inferno’ ou ‘Hades’ e que, constantemente, é confundido em suas histórias com a versão bíblica de Satã. De fato, Mephisto permite que os seres humanos acreditem que ele é o próprio ‘capeta’ para poder explorar suas fraquezas. Constantemente aparece em aventuras do Doutor Estranho, Thor e até dos X-Men. Segundo alguns rumores, o personagem poderá fazer sua estreia nos cinemas em Doutor Estranho 2, esperado para 2021.

Você conhece a banda Tenacious D? Caso a resposta seja negativa, aconselho a correr para o Youtube e conhecê-los. A banda de rock formada pelos atores Jack Black e Kyle Gass – que inclusive tocaram no Rock in Rio de 2019 – tem um filme que apresenta de forma bem-humorada sua formação e trajetória até eles se tornarem rockstars. O filme, de 2006, conta com participações megaespeciais, como os lendários músicos norte-americanos Ronnie James Dio e Dave Grohl. Este último interpreta o demônio Belzeboos, que tenta atrapalhar a trajetória da dupla. Sua caracterização – bem estereotipada – reúne os famosos chifres, a cor vermelha e uma composição zoomórfica, com a parte de baixo do corpo sendo a de um bode.

Demônio reinventado

Se você tentar compreender as mudanças na imagem do Diabo em uma linha do tempo, provavelmente vai ter muitas dificuldades. Embora haja relação entre os momentos políticos e sociais da história e as representações do Diabo nas artes, como mostram estudos, são muitas as variáveis que influenciaram a construção de cada uma das versões do capeta ao longo do tempo. Essas variáveis muitas vezes se contradizem, ou se superpõem, dando a impressão de que, na realidade, não há qualquer critério claro e apreensível na forma de representar esse popular personagem da cultura.

O que podemos dizer com alguma certeza é que a representação mais familiar que temos – o ser vermelho, com chifres, pés de bode, tridente na mão e uma cauda pontuda – surgiu por meio de artistas que se inspiraram em alguns escritos bíblicos e foi reinventada com o passar do tempo.

Para o professor e teólogo Volney Berkenbrock, do Departamento de Ciências da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, essa versão vermelha e animalesca é uma consequência do combate às crenças greco-romanas. “Nos embates de culturas – e, no caso específico, de religiões – os símbolos da religião dos outros serão postos como algo extremamente ruim e malévolo. Dessa forma, Satanás ganhou adereços de quem se estava combatendo”, explica.

Hoje, o Diabo é pop, está em vários lugares, cinemas, séries, livros, desenhos… Podemos dizer que ele encontrou o seu lugar no mundo capitalista e comercial.

Diogo Tomaz

Universidade Federal de Juiz de Fora

Matéria publicada em 02.03.2020

COMENTÁRIOS

Envie um comentário