O que move migrantes e refugiados?

Atualmente, 258 milhões de pessoas no mundo vivem fora de seus países de origem. A maioria é formada por migrantes, que se deslocaram em busca de trabalho. A outra parte deixa sua terra natal por motivos alheios à própria vontade. Essas pessoas se deslocam forçadamente dentro de seu país ou atravessam fronteiras internacionais, tornando-se refugiados. As causas dessas migrações vão da exploração econômica de territórios a conflitos geopolíticos.

Vivemos em um mundo sombrio e contraditório. Somos, hoje, aproximadamente 7,6 bilhões de humanos coabitando um espaço comum. Destes, 258 milhões de pessoas – ou 3,4% da população do planeta – moram fora dos seus países de origem. Alguns, pouco mais de 150 milhões, se deslocaram em busca de atividade laboral. Outros 25 milhões, por imposições alheias à própria vontade e aos seus projetos de vida, foram forçadamente deslocados e atravessaram fronteiras internacionais: no país de destino, ao final de um longo processo jurídico, receberam o reconhecimento, a chancela, do refúgio internacional.

Desse total de refugiados, 55% proveem da Síria (5,5 milhões), Afeganistão (2,5 milhões) e Sudão do Sul (1,4 milhão). Entre os países que mais recebem os refugiados, destacam-se a Turquia (3 milhões), seguida do Paquistão (1,5 milhão) e do Líbano (1 milhão), de acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados. Esses dados ainda contabilizam que três milhões de pessoas estão na condição de solicitantes de refúgio, aguardando, sem definição, uma resolução jurídica do destino geográfico de suas vidas.

Somam-se a essa demografia internacional cerca de 40 milhões de pessoas expulsas dos seus lugares de origem e que, por variadas motivações, permanecem no próprio país. O quantitativo de deslocados internos representa 58,5% de todo o deslocamento forçado mundial. Dentro desse panorama geral, 52% são menores de 18 anos; ou seja, são crianças e adolescentes.

Gislene Santos

Departamento de Geografia,
Grupo de Estudos em Espaço e População,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.