Os Vingadores do mundo animal

Alguns animais com habilidades incríveis seriam candidatos perfeitos para formar uma equipe tão imbatível quanto a dos super-heróis dos quadrinhos.

Se você é fã de super-heróis, sabe o quão emocionante é assistir a filmes como Os Vingadores, em que vários dos maiores heróis da Marvel Comics lutam juntos por uma mesma causa. E se pudéssemos montar um time de vingadores do mundo real?

Na natureza, existem vários animais com habilidades incríveis, que não deixam nada a desejar para os super-heróis dos quadrinhos. Você conhece algum animal cujas características seriam úteis para formar uma equipe imbatível, capaz de vencer qualquer outro ser vivo?

 

Chefe de RH que transcende gerações

O primeiro animal a ser convidado para o grupo é o rato-toupeira-pelado. Essa simpática criatura é simplesmente um dos dois mamíferos eussociais conhecidos – o outro é o rato-toupeira de Damaraland.

A eussocialidade é o grau mais alto de organização social que conhecemos na natureza. Consiste na divisão de tarefas entre castas, na divisão social dos papéis reprodutivos e na organização em colônias, com a presença de uma ‘rainha’, assim como acontece com formigas e abelhas.

Além disso, essa espécie tem imunidade contra o câncer, devido à presença de ácido hialurônico ao redor de suas células. Essa substância impede que células que sofreram mutação se multipliquem, ou seja, impede que um tumor se desenvolva.

Na ausência de oxigênio, o organismo desse mamífero é capaz de trocar seu sistema metabólico, permitindo que ele sobreviva sem ar por cerca de 20 minutos.

O rato-toupeira-pelado é um dos únicos mamíferos que vive em colônias com alto grau de organização, semelhantes às de formigas e abelhas.

Como se não bastasse, um estudo recente, publicado por pesquisadores dos Estados Unidos e de Israel na revista PNAS, verificou que o risco de um rato-toupeira-pelado morrer não aumenta com o tempo. Em outras palavras, não existe velhice para ele! Isso lhe confere uma longevidade fora do comum, se comparada à de outros roedores.

Sem entrar no mérito da ausência de liberdade desses animais em suas colônias, o fato é que quanto menor o grau de liberdade dos indivíduos que compõem um sistema, mais eficiente esse sistema é. E as abelhas, as formigas e os sinais de trânsito estão aí para provar isso.

Portanto, as características do rato-toupeira-pelado poderiam ser úteis para alguém responsável por gerenciar o setor de recursos humanos (RH) – ou melhor, o setor de recursos animais – do grupo, alguém que organizasse e liderasse a equipe.

Patrulheiros do mar

Os golfinhos e leões-marinhos já foram muito usados pelas Marinhas de vários países como patrulheiros do mar. Eles trabalhavam, principalmente, verificando a presença de minas explosivas e marcando as suas localizações.

A vantagem de se utilizar leões-marinhos é que eles enxergam muito bem, até com pouca iluminação. Já os golfinhos têm a habilidade incrível da ecolocalização, melhor do que qualquer instrumento inventado pelo ser humano.

A ecolocalização é a capacidade que alguns animais têm de detectar a posição de objetos no meio ambiente. Para isso, eles emitem ondas de som, que se espalham pelo ar (ou pela água). Quando uma onda atinge algum objeto, parte dela é refletida e volta na direção do animal, sendo absorvida por um órgão especial, que, em seguida, envia essa informação ao cérebro. É semelhante ao que acontece quando gritamos e ouvimos o nosso eco. Os golfinhos conseguem interpretar tão bem os sons que recebem a ponto de não só identificar a posição de objetos e outros animais, mas também a sua textura, densidade, tamanho e se estão em movimento ou não.

Hoje em dia, o trabalho de patrulha é preferencialmente feito por robôs. Isso é ótimo, porque assim os golfinhos e leões-marinhos ficam disponíveis para integrarem a nossa equipe de Vingadores do mundo animal!

O sistema de localização dos golfinhos funciona melhor do que qualquer instrumento inventado pelo ser humano

Equipe de perseguições

Todo time de super-heróis precisa de alguém com a habilidade da supervelocidade, como o Flash, da DC Comics, ou o Mercúrio, da Marvel. No mundo animal, podemos contar com dois seres que certamente têm essa habilidade.

O peixe-vela é o animal aquático mais rápido do mundo

O falcão peregrino é considerado o animal mais rápido que existe, podendo ultrapassar os 300 Km/h. Para você ter uma ideia do quão rápido isto é, em um único segundo, esse falcão é capaz de percorrer uma distância de 85 metros! Por ser especialista em velocidade, esse falcão não caça, por exemplo, em regiões florestais, que exigem outros tipos de habilidade. É mais provável o encontrarmos em regiões de montanhas, pradarias e desertos. Por isso, essa ave de rapina pode ser uma excelente escolha para perseguir tanto alvos aéreos quanto terrestres.

No meio aquático, a nossa melhor escolha é o peixe-vela, considerado o animal aquático mais rápido do mundo. Esse peixe pode chegar a velocidades de 110 Km/h, sem atrapalhar seu belo topete.

Wolverine animal

Se quisermos alguém no time que seja forte e bom de briga, uma opção certeira é o carcaju. Também conhecido como glutão, esse mamífero serviu de inspiração para a criação do personagem Wolverine, da Marvel, por razões que você entenderá.

Dono de grande força e agressividade, o carcaju chega a caçar animais muito maiores do que ele

Apesar do seu tamanho, que não costuma passar dos 110 cm, o carcaju é dotado de uma força imensa e uma grande coragem e agressividade, a ponto de caçar animais muito maiores do que ele, como cervos adultos.

O maior problema desse mamífero é que ele costuma ser solitário. Assim como o Wolverine, não gosta de andar em grupo. Certamente, seria uma ótima aquisição para nossa equipe, mas muito difícil de lidar. Será que vale a pena convidá-lo?

A lista de animais que poderiam fazer parte da nossa superequipe é longa. Portanto, é impossível falar de todos. Você teria algum animal para indicar? Mande sua sugestão que a repassaremos para o nosso chefe de RH, o rato-toupeira-pelado, decidir se ela pode entrar no time ou não.

Lucas Miranda

Editor do blogue Ciência Nerd
Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor),

Universidade Estadual de Campinas

Matéria publicada em 24.09.2019

COMENTÁRIOS

  • NILDSON DE AVILA SILVA

    Não sei se o rato-toupeira-pelado seria útil na gestão de RH (ou RA – recursos animais) ou se conseguiria organizar e liderar a equipe. Ao que parece animais eusociais não tem lideres ou organizadores de equipe como a gente conhece entre seres humanos (justamente por estes não serem formigas). A rainha das abelhas não gerencia, por exemplo. A inteligência de uma colmeia surgiria da interação das abelhas, não de gestores. Portanto não teríamos “gestores” entre eles, pelo pouco que sei (talvez um biologo me corrija). Além do mais, para humanos, eles não são formigas. Sistemas centralizados não funcionam para eles. Suas equipes envolvem muito mais informação do que numa colmeia ou formigueiro, portanto fica inviavel um gestor dominar tanta informação. Sistemas descentralizados e liberais funcionam melhor entre eles por delegar a gestao da informacao. Quanto a animais sociais , fora o ser humano, e que não sejam eusociais, complica também. Um suposto rato-toupeira-pelado “gestor” se existisse, talvez se daria melhor entre formigas com as demandas de um formigueiro, mas se tiver lobos, gatos e pessoas na equipe, e se a tarefa envolver muita informação, se perde.

    Publicado em 28 de setembro de 2019 Responder

    • Lucas Miranda

      Sim, você tem toda a razão! O texto é uma brincadeira e uma metáfora para falar desses animais incríveis e com hábitos e habilidades não muito conhecidos. E como toda metáfora, esta também é limitada. Valeu pelas contribuições!

      Publicado em 29 de setembro de 2019 Responder

  • eu

    seu rato

    Publicado em 3 de outubro de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Combate ao racismo começa na escola

Ensinar sobre a herança e o conhecimento africanos e as marcas deixadas pelo povo negro na cultura brasileira é uma forma de contribuir para uma educação antirracista e para a eliminação do preconceito e da discriminação

O HIV e os aplicativos de encontro

A infecção por HIV atinge desproporcionalmente a população LGBT. Há uma estimativa de que um em cada quatro homens que fazem sexo com homens, em São Paulo, conviva com o vírus. Será que o uso de aplicativos de encontro contribuiriam para aumentar o número de parceiros sexuais e de relações ‘desprotegidas’? Será que as pesquisas confirmam esta hipótese? Qual a sua opinião? Participe do chat da Ciência Hoje.