Para aprender a ensinar alunos com deficiência sensorial

Criado a partir da vivência dos obstáculos para PCD em uma escola da rede pública, guia traz conceitos e técnicas para auxiliar professores a adaptar ou produzir conteúdo para estudantes surdos e cegos.

Nos últimos anos, mudanças significativas foram observadas no âmbito educacional, especialmente no que se refere à inclusão e à acessibilidade de pessoas com deficiência (PCD), que, por muito tempo, não encontravam infraestrutura para seu acolhimento na rede escolar. Mas não é a pessoa com deficiência quem tem que se adequar à realidade do ambiente, e, sim, o ambiente que deve se adaptar às necessidades das PCD.

Pensar em maneiras de incluir esse grupo bastante representativo da população brasileira é essencial e urgente para tornar nossa sociedade menos desigual e mais democrática. No país, há mais de 6,5 milhões de pessoas com alguma deficiência visual, e cerca de 9,7 milhões com deficiência auditiva, de acordo com o censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi pensando nesse público que criamos o “Guia para a confecção de materiais didáticos para estudantes com deficiências sensoriais (visual e surdez)”, para ajudar os profissionais de educação a promoverem a inserção desse grupo no espaço escolar.

 

Vivências do cotidiano escolar


O diálogo com diversos professores nos levou a constatar que muitos deles não sabiam como preparar materiais para esses alunos

A proposta de confeccionar esse guia nasceu a partir de experiências e vivências em um colégio estadual da rede pública de ensino, onde há muitos estudantes com deficiência visual e auditiva. O diálogo com diversos professores nos levou a constatar que muitos deles não sabiam como preparar materiais para esses alunos e, assim, incluí-los no processo de ensino-aprendizagem.

A partir dessa percepção, voltamos o foco do guia para a produção de ferramentas capazes de contribuir para um olhar mais inclusivo dos educadores em suas práticas pedagógicas cotidianas. Assim, o guia apresenta os conceitos mais relevantes e as técnicas fundamentais para que qualquer profissional da educação, independentemente da área de atuação, seja capaz de confeccionar e adaptar um material didático para pessoas com deficiências sensoriais.

 

Didático e fácil de usar

O guia foi elaborado de forma didática, com linguagem simples, clara e objetiva para proporcionar uma leitura fácil e favorecer sua utilização no cotidiano escolar. A capa tem como destaque uma imagem inédita, que mostra a cabeça de uma pessoa com diversos símbolos de inclusão e acessibilidade, representando um indivíduo que pensa na inclusão de PCD. Entre esses, destaca-se o símbolo de acessibilidade criado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que, com os braços abertos, ilustra a harmonia entre o ser humano e a sociedade, representando a inclusão de pessoas com todas as habilidades, em todos os lugares.

A capa do guia: imagem traz diversos símbolos de inclusão e acessibilidade.

O material traz uma proposta que pretende quebrar um pouco os paradigmas vivenciados no âmbito educacional. Educadores se sentem despreparados, espaços de educação não oferecem infraestrutura adequada aos PCD e políticas públicas não são eficazes para garantir o processo de ensino-aprendizagem dessas pessoas. Diante disso, as dificuldades se multiplicam trazendo aos educadores um grande desafio nas suas práticas educacionais existentes.

Mas que conteúdo pode colaborar para que esses profissionais superem esses obstáculos? O guia busca contribuir para a reflexão dos educadores acerca da importância do conhecimento e da aplicação de metodologias especializadas, quando se deseja alcançar uma educação para todos. O ambiente educacional atrai diferentes pessoas com múltiplas especificidades, e com isso, a necessidade de procurar novas formas de provocar a inclusão de qualquer grupo social historicamente excluído é de suma importância nesse contexto.


O ambiente educacional atrai diferentes pessoas com múltiplas especificidades, e com isso, a necessidade de procurar novas formas de provocar a inclusão

Em sete capítulos e 26 páginas, o guia apresenta técnicas e metodologias de ensino, apontamentos dos riscos e cuidados ao confeccionar os materiais e as principais instruções de como informar e comunicar às pessoas com deficiências sensoriais um conteúdo. Além disso, apresenta a todos os profissionais de educação informações básicas sobre os dois institutos de referência do país na área da deficiência visual e auditiva, o Instituto Benjamim Constant (IBC) e o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), respectivamente. Localizados na cidade do Rio de Janeiro, ambos atuam na educação básica especializada, na formação docente e na produção de material didático especializado.

Acreditamos que o guia vai contribuir para inclusão das PCD, uma vez que, a partir de qualquer atividade cotidiana, o profissional da área da educação poderá ver nesse instrumento uma forma simples de quebrar barreiras informacionais, atitudinais e comunicacionais.

Baixe o guia gratuitamente neste link.

André Fillipe de Freitas Fernandes

Coordenação de Educação em Ciências
Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST

Débora de Aguiar Lage

Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira – CAp
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 29.09.2020

COMENTÁRIOS

  • Priscila Regina da Silva

    Sensacional!!! Parabéns pelo artigo!!!!

    Publicado em 1 de outubro de 2020 Responder

  • Cristiana Passinato

    Muito bom parabéns!!!

    Publicado em 15 de outubro de 2020 Responder

Envie um comentário

Open chat