Pequenas perguntas, grandes questões

Como os meios digitais podem contribuir para o estudo da história?

FOTO: Href/Pixabay

Nos últimos anos, com o desenvolvimento tecnológico, instituições tradicionais de memória,como arquivos, bibliotecas e museus, estão se transformando. Para os historiadores, as recentes empreitadas de digitalização de acervos significaram muito, tanto em termos de acesso, que foi ampliado e facilitado graças à tecnologia e à disponibilização dos documentos digitalizados on-line, quanto em termos do alargamento dos horizontes de pesquisa, graças a essa mesma acessibilidade, que mudou os tempos, os custos e as dinâmicas dos estudos.

Contudo, as mudanças dessa‘virada digital’ modificam de muitas outras formas as condições de produção do conhecimento histórico. O surgimento de um novo tipo de fonte,a chamada‘nascida digital’, por exemplo, coloca grandes desafios à história. Esse tipo de fonte é algo que não teve existência prévia no mundo analógico antes de existir no formato digital, ou seja, são documentos que surgem no ambiente digital, como posts em redes sociais, mensagens instantâneas, memes em GIFs, posts de blogue, fotografias 360º, jogos etc. Esses elementos multimídia apresentam características novas, inerentes ao meio digital, que colocam em questão critérios básicos do método crítico usado no estudo da história, como proveniência e autenticidade um documento, o que exige o estabelecimento de novas habilidades, novos protocolos.

Anita Lucchesi

Centro de História Contemporânea e Digital
Casa das Ciências Humanas
Universidade de Luxemburgo

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.