Pesquisa e resistência

Uma vida dedicada ao combate à violência sexual contra a mulher, com trabalhos premiados, informação e desenvolvimento de ferramentas para dar mais visibilidade ao tema.

 

A violência sexual contra a mulher consiste numa grave violação dos direitos humanos e num problema cultural fortemente estruturado na sociedade patriarcal.É uma das manifestações da violência de gênero mais cruéis e persistentes, com raízes histórico-culturais, permeadas por questões étnico-raciais, de classe e de geração. O problema, que vem adquirindo crescente importância na agenda das políticas de saúde, sempre esteve presente na minha vida profissional.

A preocupação com a saúde sexual e reprodutiva da população feminina associada à defesa de direitos da mulher marca a minha trajetória. A princípio, como assistente social e gestora, coordenei, de 1987 a 1995, a assistência pré-natal prestada às gestantes numa maternidade conveniada com a rede pública de saúde, onde o atendimento a mulheres vítimas de violência– especialmente a violência sexual – fazia parte das demandas do serviço. Era um desafio cotidiano pensar e propor estratégias preventivas no contexto da atenção à saúde da mulher.

Seção Mulheres na Ciência_hand-1832921_LILAS EVISU

Ludmila Fontenele Cavalcanti

Núcleo de Estudos e Ações em Políticas Públicas, Identidades e Trabalho
Escola de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.