Posso usar a sua localização?

Aplicativo para crédito rural usa georreferenciamento e nos faz refletir sobre vantagens e desvantagens do monitoramento da nossa posição geográfica no mundo.

No final dos anos 1980, li em um artigo a afirmação de que chegaria o momento em que mais de 90% das informações veiculadas seriam georreferenciadas. Achei um certo exagero. Afinal, os famosos equipamentos GPS (sigla em inglês para Sistema de Posicionamento Global) – ou, como é mais correto chamá-los, GNSS (sigla em inglês para Sistema de Navegação por Satélite) – ainda não eram uma realidade instrumentalizada, e muito menos popular.

Hoje a maioria dos gadgets possui um GNSS capaz de registrar a sua localização com maior ou menor exatidão. No caso dos smartphones, quantas vezes, ao instalar um aplicativo, nos foi solicitado ter acesso à localização? Isso tem revolucionado muitas aplicações e trazido à pauta questões quanto aos aspectos positivos e negativos dessa função.

Paula Maria Moura de Almeida e Carla Madureira Cruz

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.