Prazer, esportômica

Uma análise dos estudos que melhoram desempenho de atletas de elite e contribuem para compreender doenças.

Quando se fala na ligação entre esporte e academia, a maioria das pessoas deve pensar em esteiras, pesos e aparelhos de musculação. Para muitos torcedores que frequentam estádios e ginásios podeser difícil imaginar, mas cientistas também marcam presença em campos de competição e treinamento. Mais que isso: o trabalho desses pesquisadores pode influir na dieta, nos programas de preparação e, consequentemente, na melhora da performance de atletas de alto desempenho.

É assim que funciona a esportômica, abordagem desenvolvida no Laboratório de Bioquímica de Proteínas (LBP) da UNIRIO, que trabalha com atletas de nível internacional e realizou ações nos Jogos Olímpicos de Londres e do Rio, entre outros eventos. Diferentemente dos estudos realizados dentro de laboratórios, em condições extremamente controladas, as análises esportômicas são feitas a partir de amostras de sangue, urina, suor e saliva de atletas coletadas in loco, reproduzindo os desafios reais e as condições enfrentadas durante as performances esportivas.

 

Alexandre Magno-França
Adriana Bassini
L. C. Cameron

Laboratório de Bioquímica de Proteínas
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

 

 

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.