Prazer, esportômica

Uma análise dos estudos que melhoram desempenho de atletas de elite e contribuem para compreender doenças.

Quando se fala na ligação entre esporte e academia, a maioria das pessoas deve pensar em esteiras, pesos e aparelhos de musculação. Para muitos torcedores que frequentam estádios e ginásios podeser difícil imaginar, mas cientistas também marcam presença em campos de competição e treinamento. Mais que isso: o trabalho desses pesquisadores pode influir na dieta, nos programas de preparação e, consequentemente, na melhora da performance de atletas de alto desempenho.

É assim que funciona a esportômica, abordagem desenvolvida no Laboratório de Bioquímica de Proteínas (LBP) da UNIRIO, que trabalha com atletas de nível internacional e realizou ações nos Jogos Olímpicos de Londres e do Rio, entre outros eventos. Diferentemente dos estudos realizados dentro de laboratórios, em condições extremamente controladas, as análises esportômicas são feitas a partir de amostras de sangue, urina, suor e saliva de atletas coletadas in loco, reproduzindo os desafios reais e as condições enfrentadas durante as performances esportivas.

 

Alexandre Magno-França
Adriana Bassini
L. C. Cameron

Laboratório de Bioquímica de Proteínas
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

 

 

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Pequenas Grandes Questões

Está mesmo ocorrendo um aquecimento em todo o planeta? Existe alguma relação entre as vacinas e a ocorrência de autismo? Há evidências de que os neandertais acasalaram com os humanos modernos? Confira as respostas de especialistas.

Missão espacial Gaia

Dados da segunda etapa da missão divulgados recentemente representam um salto no entendimento da origem, estrutura e evolução da Via Láctea.