Química, religião e política

Considerado pelos norte-americanos como o descobridor do oxigênio, o britânico Joseph Priestley transitou por diversas áreas, deixando um vasto e importante legado em todas elas.

O britânico Joseph Priestley (1733-1804) foi versátil. Além de químico, era educador, teólogo, linguista e teórico político. Seus escritos – publicou mais de 150 obras – e suas descobertas influenciaram o conceito das pessoas sobre o papel do governo, a verdade sobre Deus e até o ar que respiramos. Baseava-se em fatos e verdades e rejeitava teorias e tradições.

Iniciou seus experimentos científicos usando a eletricidade, sugestão de seu amigo Benjamin Franklin (1706-1790), cientista, político e jornalista norte-americano. A amizade com Franklin e, posteriormente, com os ex-presidentes norte-americanos Thomas Jefferson (1743-1826) e John Adams (1735-1826) foi decisiva para seu exílio nos Estados Unidos, de 1794 até a sua morte. É curioso destacar que os norte-americanos comemoraram em 1º de agosto de 1974 o que chamam de ‘bicentenário da química’, referindo-se aos 200 anos da descoberta do ar deflogisticado (hoje, oxigênio) por Priestley. Embora o oxigênio tenha sido descoberto e caracterizado pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele (1742-1786) em 1771.

Estátua erigida em Birmingham (Inglaterra) em 1874 em homenagem a Joseph Priestley, por ocasião do centenário da descoberta do oxigênio

Nadja Paraense dos Santos

Instituto de Química
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje