Sapos, rãs, pererecas e ativismo feminista

Pioneira em vários campos, Bertha Lutz foi bem mais do que uma cientista de renome internacional. Deputada federal e funcionária pública, dedicou parte de seus esforços à luta pelo voto feminino, pelos direitos das mulheres, dos trabalhadores e das crianças no Brasil, participando da fundação de entidades que promoviam essas causas. Defensora do ambientalismo, suas ações e ideias abriram as portas para uma maior participação das mulheres na vida pública e política do país.

Os anuros (do grego, ‘sem cauda’) – grupo de animais que pertencem à classe dos anfíbios – têm longas patas posteriores, calcanhares alongados e uma coluna vertebral curta, o que os fazem aparecer ter o corpo encurtado. Seus olhos são esbugalhados, e seus dedos são estranhos, podendo apresentar ventosas e as chamadas membranas interdigitais, ou seja, pele entre os dedos.

Têm estilo de vida aquático ou semiaquático, mas podem se deslocar por terra ou mesmo escalar arvores. São exímios saltadores – e algumas espécies podem saltar até 50 vezes o comprimento do próprio corpo.

A esta altura, você já deve ter desconfiado de que estamos falando de…  sim, de sapos, rãs e pererecas.

Leandro Lobo

Instituto de Microbiologia,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje