Sociogenômica: caixa de Pandora ou pseudociência?

Em vez de ter sido banida diante do horror do nazismo e de outros casos de limpeza étnica, a eugenia renasce, agora endossada por especialidades da ciência moderna, que usam a genética para explicar o comportamento humano.

 

Raças, sempre as raças.

“Não é minha intenção aqui descrever as assim chamadas raças humanas; mas darei início a uma pesquisa sobre qual o valor das diferenças entre elas (raças) sob o ponto de vista de classificação e de como estas se originaram.” Esse parágrafo abre o capítulo ‘Sobre as Raças do Homem’ do livro A Descendência do Homem e Seleção em Relação ao Sexo, do naturalista britânico Charles Darwin (1809-1882), publicado primeiramente em 1871 e cuja segunda edição apareceu em 1879.

sociogen_1
O problema maior não é tanto a discussão das raças como uma mera classificação biológica, mas sim aquele decorrente das inferências que são feitas ao associar determinados predicados comportamentais a diferentes grupos e etnias.

Após uma extensa narrativa, na qual Darwin apresenta os argumentos de vários naturalistas que defendiam que os humanos em existência naquela época podiam ser divididos em várias espécies, ele conclui com a sua costumeira sensatez que “…tanto quanto possamos julgar, embora sempre podendo estar errado, nenhuma das diferenças entre as raças do homem apresentam benefícios especiais a ele.” E ainda: “A grande variabilidade de todas as diferenças externas entre as raças do homem indicam que essas não devem ter muita importância; porque, se fossem importantes, elas teriam sido fixadas e preservadas, ou eliminadas.”

Não obstante a cautela de Darwin em ressaltar que características tais como cor da pele, tipo de pelos, distribuição muscular, estrutura óssea, etc. eram devidas a adaptações geográficas ou de hábitos, fica claro nesse e em outros capítulos de a Descendência do Homem que ele aceitava que as populações humanas eram constituídas por raças.

A noção de raças humanas se revelou longeva e até certo ponto refratária aos fatos, pois, mesmo nos dias atuais, em que a genética moderna mostrou que tal conceito é improcedente, a questão racial continua a alimentar o debate entre os próprios cientistas e leigos. O problema maior não é tanto a discussão das raças como uma mera classificação biológica, mas sim aquele decorrente das inferências que são feitas ao associar determinados predicados comportamentais a diferentes grupos e etnias.

A eugenia

Nesse sentido, é preocupante que a moderação de Darwin não tenha transbordado para os dias de hoje, quando renasce o espectro da eugenia, agora endossado por algumas especialidades da ciência moderna. Nesse particular, o binômio raça e eugenia se destaca, como veremos a seguir.

A eugenia é um termo cunhado pelo antropólogo e matemático inglês Francis Galton (1822-1911), um primo distante de Darwin que, em 1883, publicou o livro A Pesquisa sobre a Faculdade Humana. O foco principal da obra era “o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações, seja física ou mentalmente”.

Galton sugere que “seria muito prático produzir uma raça de homens altamente qualificada por meio de casamentos cuidadosamente planejados ao longo de várias gerações consecutivas.” Ocorre que o autor, assim como vários de seus seguidores, baseava o suposto melhoramento humano nas classes sociais e nas raças. Segundo Galton, a sociedade a qual ele próprio pertencia era o padrão a ser atingido. Portanto, subestimou também o meio ambiente como importante fator na chamada seleção social.

Galton foi sucedido pelo estatístico britânico Karl Pearson (1857-1936), um apóstolo fervoroso que ajudou a criar a biometria, um instrumento que introduziu a análise quantitativa ao estudo das raças e que passou a subsidiar então as ideias eugênicas. É revelador o fato de que Galton, Pearson e tantos outros tenham preferido se apoiar mais fortemente na genética do que na educação como estratégia para melhorar a sociedade. Talvez esse viés traísse a crença, consciente ou não, de que a natureza aleatória da genética isentava de responsabilidade as classes dominantes. Para eles, ser portador ou não de deficiências era apenas uma questão de má ou boa sorte.

Embora a eugenia tenha sido batizada por Galton, os princípios dessa doutrina são antigos. Em 380 a.C, o filósofo grego Platão deixou registrado, em seu livro A República, que, na sociedade humana, a reprodução deveria ser regulada pelo Estado e, de quebra, a progênie não deveria saber quem eram seus pais. Depois, entre os séculos 18 e 19, o economista britânico Thomas Malthus (1766-1834), preocupado com o crescimento populacional, também recomendou práticas eugênicas como solução para as crises, que, fatalmente, ocorrerão quando os recursos naturais atingirem seu limite.

Ao longo da história mais recente, a eugenia foi adotada e modificada por vários líderes, que viam no conjunto

dessas ideias uma forma de expressar seus preconceitos, adaptando-os de maneira a justificar ações racistas que hipoteticamente teriam uma base científica. O regime nazista ilustrou de maneira eloquente a malversação do conhecimento. Outros incontáveis episódios de limpeza étnica também resultaram em trágicos genocídios, todos objetivando a “purificação de raças” e sempre em nome do bem social. Mediante o horror causado por esses exemplos, era de se supor que a eugenia tivesse sido banida de uma vez por todas por sociedades democráticas, bem-educadas e moderadas em suas opiniões políticas.

No entanto, a convicção generalizada de que as raças existem e de que estas são passíveis de melhoramento ainda persiste. Isso demonstra que talvez exista um consciente coletivo que se nutre de premissas que, se não falsas, são pelo menos duvidosas. Quais seriam os agentes subjacentes a essa tendência? Imediatamente, vem à mente a simplicidade de pensamento. É mais fácil atribuir ao comportamento individual o componente genético do que tentar compreender a dinâmica social em toda sua complexidade. Essa opção pode ser medida. Um teste realizado com várias turmas de alunos de graduação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) demonstrou o nítido viés surgido quando se solicitava a eles que decidissem entre fatores genéticos e culturais para explicar certos comportamentos.

sociogen_2
É mais fácil atribuir ao comportamento individual o componente genético do que tentar compreender a dinâmica social em toda sua complexidade.

Dentre cerca de 20 tipos diferentes de comportamentos, alguns nocivos ou ameaçadores para a sociedade ou alvo de preconceito (violência, abuso de drogas e alcoolismo, egoísmo, orientação sexual), outros neutros ou benéficos (talento para matemática e artes, solidariedade, desempenho atlético etc.), a maioria dos alunos invariavelmente atribuía os ‘maus’ comportamentos ao fator genético e os ‘bons’ comportamentos ao ambiente cultural. O resultado evidencia a presença de considerável carga de preconceitos, mesmo em uma população mais esclarecida. Os alunos do exemplo acima não estão sozinhos, e nem representam uma corrente de pensamento recente.

 

A sociobiologia

A valorização do componente genético resulta de um intenso bombardeio que teve início com o advento da sociobiologia, popularizada pelo biólogo norte-americano Edward Osborne Wilson (1929-) com seu livro Sociobiologia: a nova síntese, publicado em 1975. A sociobiologia propõe investigar qual a base biológica do comportamento animal, extensivo aos humanos, tendo como suporte experimentos que tentam identificar e quantificar a influência individual dos componentes genéticos e ambientais. O trabalho de Wilson deixou um legado importante, pois em seus estudos com animais, principalmente insetos, o uso de rigorosos controles lhe permitiu tirar conclusões objetivas sobre a herança do comportamento social.

Mas isso se torna bem mais complicado quando se trata de humanos, principalmente devido às restrições impostas pela ética. A necessidade de cautela imposta pelas limitações experimentais não inibiu pesquisadores que, inspirados pela sociobiologia, conduziram experimentos mal elaborados e que, fatalmente, levaram a conclusões equivocadas.

É importante ressaltar aqui que, sem dúvida, existem componentes genéticos influenciando o comportamento humano. No entanto, é importante que a demonstração experimental elimine a possibilidade de que os efeitos observados tenham como origem fatores culturais.

No arsenal da sociobiologia, a arma mais devastadora foi o estudo do quociente de inteligência (QI). O teste de QI foi inventado por volta de 1895 pelo psicólogo francês Alfred Binet (1857-1911), com a finalidade de medir o aproveitamento curricular de estudantes do ensino fundamental na França. A partir daí, o teste de QI foi adaptado e, em suas várias modalidades, foi adotado por muitos psicólogos e sociobiólogos como uma maneira de prospectar a inteligência individual humana.

Os resultados levaram os pesquisadores a tecer hipóteses abrangentes que culminaram na conclusão de que a capacidade cognitiva era herdada. Talvez o maior expoente dessa corrente do pensamento tenha sido o psicólogo norte-americano Arthur Jensen (1923-2012), cujo trabalho não tardou a ser extrapolado para as raças. Ao comparar os desempenhos de brancos e não brancos, Jensen concluiu que o aprendizado conceitual era mais evidente nos primeiros.

Esse trabalho polêmico foi um divisor de águas. Embora o texto de Jensen, de 1969, tenha deflagrado uma feroz crítica, o debate ainda prossegue nos dias de hoje de maneira apaixonada, atraindo legiões de pesquisadores, desde os sérios até os oportunistas que militam no cenário sociopolítico.

Durante algum tempo, em decorrência da polêmica levantada, a sociobiologia fez com que aqueles que se dedicassem a essa área do conhecimento fossem encarados com suspeita. Mas isso não durou muito tempo. Agora, em razão de uma velha estratégia de marketing que ensina que um produto impopular pode novamente ganhar as graças do público consumidor, bastando para tal glamorizá-lo, mudando seu nome ou sua roupagem, surge uma nova especialidade.

 

A sociogenômica

Do casamento entre a sociologia e a genômica, surge a sociogenômica. A genômica é o estudo dos dados gerados pelas técnicas modernas que viabilizaram o sequenciamento em massa do DNA. Com essa abordagem, é possível hoje produzir, rapidamente e com custo relativamente baixo, genomas humanos completos. Os enormes bancos de dados estão à disposição dos cientistas que desejam examiná-los para entender de que forma os genes contribuem tanto para a saúde como para a doença.

sociogen_3
O mercado faz dos pais presas fáceis, por meio de propaganda na qual deposita sobre os ombros deles a responsabilidade pelo destino de seus filhotes. A sociogenômica é hoje uma reedição genética dos antigos testes vocacionais. Com essas informações, os pais poderiam então fomentar o desenvolvimento dos filhos, direcionando-os para os canais adequados.

Os bancos de dados também chamaram a atenção dos sociólogos, que enxergaram nesse repositório uma rica fonte de informações que, finalmente, lhes daria mais credibilidade ao investigar os detalhes da herança do comportamento humano. Sim, quando se achava que a paz havia voltado, o lado sombrio da sociobiologia volta a agitar a comunidade. Em seu livro ainda não traduzido para o português Social por Natureza: A Promessa e o Perigo da “Sociogenômica” (tradução livre), a socióloga Catherine Bliss discute essa nova investida e as consequências sociais dos avanços da biotecnologia.

Bliss apresenta um texto muito bem escrito e elegante, que pode ser resumido em uma frase: a mídia e o mercado são responsáveis pela “genetificação” do comportamento social e, para tal, contam com o beneplácito geral, resultante do já mencionado desejo coletivo de acreditar em raças e na herança do comportamento. A autora mostra que há cada vez mais artigos científicos publicados sobre esse tema, sendo que a maioria usa a simples correlação entre a ocorrência de certas sequências de DNA no pool dos bancos de dados e algum comportamento específico.

Embora as correlações sejam sacramentadas pela estatística, nunca há uma demonstração clara de que os genes são de fato responsáveis pela característica selecionada. Sem muito discernimento, a mídia sensacionalista propaga essas conclusões como se fossem verdadeiras, e o resultado é que todos, incluindo as crianças, estão convencidos de que são os genes que regem nossas vidas.

Aliando-se à mídia, dezenas de empresas oferecem ao público a oportunidade de testar seu DNA, a fim de descobrir se são portadores de talentos específicos, se são inteligentes, líderes, bons dançarinos ou atletas, se têm a tendência de

assumir riscos, se lidam bem com o estresse, se encontrarão facilmente o amor e assim por diante.

O mercado faz dos pais presas fáceis, por meio de propaganda na qual deposita sobre os ombros deles a responsabilidade pelo destino de seus filhotes. A sociogenômica é hoje uma reedição genética dos antigos testes vocacionais. Com essas informações, os pais poderiam então fomentar o desenvolvimento dos filhos, direcionando-os para os canais adequados.

O leitor mais atento poderá descobrir nas entrelinhas que a sociogenômica tem o potencial de ressuscitar o velho fantasma da eugenia e, oportunamente, tentar novamente validar seus enunciados. Note-se que a biotecnologia atual já viabiliza manipulações com embriões, humanos ou não. É relativamente fácil hoje em dia editar os genomas no sentido de corrigir defeitos genéticos. Mas as mesmas técnicas poderiam também ser usadas para produzir embriões sob encomenda.

 

Um pouco de sobriedade

Nada como um tratamento numérico para desfazer mitos. Existe em genética um parâmetro denominado herdabilidade, que mede o efeito de fatores genéticos e não genéticos sobre determinada característica. A herdabilidade é o resultado de uma razão e, assim, é expressa por valores que vão de zero a um.

Vários comportamentos já foram medidos empregando essa abordagem numérica, seguindo protocolos rígidos (descritos em vários trabalhos publicados entre 1990 e 2007). Por exemplo, sabe-se que a altura de um indivíduo apresenta o valor de 0,88, o que mostra que o componente genético é relativamente alto. As impressões digitais têm 0,97, sendo, assim, altamente herdáveis.

Por outro lado, a medida do QI tem apenas 0,69. E mais: se os elementos que compõem o teste de QI forem considerados individualmente, como por exemplo, a velocidade de processamento espacial, a velocidade de aquisição de informação e a de processamento da informação, tem-se, em média, 0,37 – valores bem mais baixos, portanto.

A conclusão aqui é a seguinte: pode haver contribuição do fator genético para a inteligência, mas a plasticidade ambiental é alta. Cabe ainda outro alerta. O cálculo da herdabilidade subentende que o teste de QI realmente mede inteligência, o que está longe de ser estabelecido. E mais, já que o valor de herdabilidade do QI é relativamente baixo, é plausível admitir que os estudos de QI e raças estejam abarrotados de erros, vieses e ambiguidades.

Para bater mais um prego no caixão da herança do QI, um estudo acaba de ser publicado na prestigiosa revista Proceedings of the National Academy of Sciences por Bernt Bratsberg e Ole Rogeberg. O trabalho mostra que o chamado efeito Flynn é causado pelo ambiente. O efeito Flynn refere-se ao crescimento do QI populacional ao longo do século 20, seguido de sua posterior queda observada mais recentemente.

Os autores usaram dados de arquivos recentes da Noruega e notaram que, durante três décadas, as mudanças no QI foram rápidas e ocorreram igualmente dentro das famílias e entre elas. Tais resultados indicam que as tendências não se devem a mudanças na composição das famílias e que existe apenas uma discreta contribuição dos genes.

Desse modo, podemos depreender que, até segunda ordem, a herança do comportamento ainda carece de fatos e representa apenas um conjunto de preconceitos que devem ser desconsiderados.

Leia mais

Leia mais

Alford, J. R.; Funk, C. L.; e Hibbing, J. R. ‘Are political orientations genetically transmitted?American Political Science Review, 99, p. 153-167, 2005.

Bouchard, T.J. Jr.; Lykken, D.T.; McGue M.; Segal, N.L.; Tellegen, A. ‘Sources of Human Psychological Differences: the Minnesota Study of Twins Reared Apart’. Science, 250, p. 223-228, 1990.

Clark, P.J. ‘The heritability of Certain Anthropometric Characters as Ascertained from measurements of twins’. J. Human Genetics, 7, p. 49-54, 1956.

Freitag, C.M. ‘The genetics of Autistic Disorders and its Clinical Relevance: a Review of the Literature’. Psychiatry, 12, p. 2-22, 2007.

Bratsberg, B & Rogeberg, O. ‘Flynn Effect and its Reversal are Both Environmentally Caused’. Proc. Nat. Acad. Sci USA, 115 (26), p. 6674-6678, 2018.

Franklin Rumjanek
Instituto de Bioquímica Médica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 09.07.2018

COMENTÁRIOS

  • Ricardo

    Gostei bastante do texto, principalmente pela concisão e pela simplificação de conceitos técnicos. Faz parte do ideário irrefletido a relação de causalidade entre a dita “boa” carga genética e o sucesso pessoal, mas os fatores ambientais e os psicológicos se mostram muito mais eficazes na formação do ser humano. Existem, com certeza, variáveis biológicas, mas isto a meu ver não se condiciona a limites pouco objetivos, tais como o conceito de “raças”, conquanto, em verdade, revele a carga ideológica de quem assim pensa.

    Publicado em 21 de julho de 2018 Responder

  • Franklin David Rumjanek

    Caro Ricardo,
    Obrigado pelos comentários. Vou aguardar mais um pouco para verificar se teremos opiniões contrárias. Nesse caso o debate ficará animado. Abraço, Franklin

    Publicado em 23 de julho de 2018 Responder

  • Rodrigo

    Gosto muito da imagem do Denis Noble que tece em “The Music of Life: Biology beyond the Genome” quando declama que os genes “estão presos em imensas colônias, trancados dentro de seres altamente inteligentes, modelados pelo mundo exterior, comunicando-se com ele por meio de processos complexos, através dos quais aparecem funções, cegamente, como num passe de mágica. Eles estão em você e em mim: somos o sistema que permite que o código deles seja lido, e sua preservação é totalmente dependente da alegria que experimentamos ao nos reproduzir. Somos a razão última para a existência deles.”

    Publicado em 11 de agosto de 2018 Responder

    • Anônimo

      Olá Rodrigo. Sim, é uma forma poética de descrever o embate “nature x nurture”. Pena que é genérico.

      Publicado em 20 de agosto de 2018 Responder

  • Isabelle

    Acredito que vivemos em uma era onde a genética determinista ainda é bastante defendida. Como apresentado no texto, este conceito pode levar a um caos na sociedade.

    Publicado em 16 de agosto de 2018 Responder

    • Paulo da Silva

      Errado, vivemos numa sociedade onde a ideia do Ambiente que molda tudo, a influência da genética é mal vista por muitos. É fácil falar que a você é “burro” por causa de fatores ambientais, mas difícil falar para pessoa que talvez ela não seja “pre-disposta” a ser “boa” na escola. No outro lado da moeda, é fácil falar que a pessoa é homosexual por causa da genética do que falar que é “por escolha”. A genética comportamental é má vista por muitos no meio educacional, e até compreensível, já que bota o homem numa paradigma muito dualista, ou você é “bom” ou “ruim” geneticamente, o que tira o valor e interindividualidade da pessoa, mas pelos estudos de mais de 50 anos de genética comportamental, esse paradigma realmente existe, é como dizem, “os fatos não tem ética ou moral, são apenas fatos” A questão é: como lidamos com esses fatos? Escodemos? Criamos políticas que ajudem todos? Segregação?

      Publicado em 17 de agosto de 2018 Responder

      • Franklin Rumjanek

        Caro Paulo, obrigado pelos comentários. Ao contrário do que você escreveu, o ponto de meu artigo foi justamente mostrar que vivemos na era da genetificação. Por isso é importante trazer para o debate a influência do meio ambiente. Talvez seja útil para você reler o que escrevi.

        Publicado em 20 de agosto de 2018

    • Anônimo

      Cara Isabelle, Não sei se entendi bem seu comentário. Acho que se esse texto e outros forem devidamente apreciados pelo menos haverá um salutar debate.

      Publicado em 20 de agosto de 2018 Responder

    • Franklin Rumjanek

      Cara Isabelle, Não sei se entendi bem seu comentário. Acho que se esse texto e outros forem devidamente apreciados pelo menos haverá um salutar debate.

      Publicado em 20 de agosto de 2018

      Publicado em 20 de agosto de 2018 Responder

  • Samira Vargas

    Olá. Poderia informar as referências da pesquisa que se valeu do teste com as turmas de graduação na UFRJ? Agradeço desde já.

    Publicado em 16 de agosto de 2018 Responder

    • Franklin Rumjanek

      Olá Samira, obrigado pela pergunta. Esses dados não foram publicados. A pesquisa foi realizada por mim ao longo do curso de Origem da Vida, ministrado para muitas turmas da UFRJ. O questionário sobre a influência genética foi oferecido à centenas de estudantes com o objetivo de mostrar que as pessoas já carregam uma dose de preconceito quando se trata de debater as influências do meio ambiente e da genética.

      Publicado em 20 de agosto de 2018 Responder

  • MARCELO ERDMANN BULLA

    Olá, Franklin Rumjanek. Alguns comentários:

    Você afirma que “A necessidade de cautela imposta pelas limitações experimentais não inibiu pesquisadores que, inspirados pela sociobiologia, conduziram experimentos mal elaborados e que, fatalmente, levaram a conclusões equivocadas”. Bem, isso ocorre em todas as áreas, não? Experimentos mal conduzidos é comum na ciência. Conclusões equivocadas são comuns na ciência. Não apenas na sociobiologia.

    Você conclui o texto defendendo que “Desse modo, podemos depreender que, até segunda ordem, a herança do comportamento ainda carece de fatos e representa apenas um conjunto de preconceitos que devem ser desconsiderados”. Sugiro a leitura de alguns textos:
    1. Livro The Triumph of Sociobiology (2001) de John Alcock. Sugiro o livro inteiro, mas especificamente o Capítulo 3, subcapítulo 1: “The Mith of the Genetic Determinism”.
    2. Livro-texto de John Alcock “Animal Behaviour – An Evolutionary Approach” (2009, 2013 ou 2018), especificamente onde ele defende “the triumph of evolutionary theory of human behaviour”.
    3. Tópico 14.7 do livro Evolutionary Analisys (2007 ou 2014) – Adaptation and Human Behaviour: Parenting. Pode ser o livro em português de 2009 ou o em ingês, mais recente, o de 2014.

    Além disso, há cientistas que defendem a existência de raças humanas. A ausência de raças não é unanimidade, pode até ser consenso, mas não unanimidade.
    Abrçs, Por enquanto é isso.

    Publicado em 2 de outubro de 2018 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.