Um espelho do presente

Ambientado na década de 1970, Infiltrado na Klan traz reflexão sobre racismo e onda conservadora que se espalha na atualidade.

Inflitrado na Klan (EUA, 2018), do premiado cineasta Spike Lee, é um desses filmes com potencial de provocar sentimentos e reflexões dos mais diversos, especialmente por tratar de assunto ao mesmo tempo delicado e impactante: o racismo. Em algumas cenas, o espectador provavelmente vai mesclar gargalhadas com momentos de raiva, indignação e angústia. Não é para menos. Essa é uma das marcas dos filmes do diretor. Produções como Faça a coisa certa (1989), Malcolm X (1992), Febre da selva (1991) e A hora do show (2000) o ajudaram a consolidar a carreira na cena cinematográfica internacional, com repercussões significativas no público brasileiro.

Ainda que seja extremamente arriscado sumarizar toda a cinematografia de Lee em poucas linhas, podemos dizer que seus filmes tratam basicamente de questões em torno dos conflitos raciais e da vulnerabilidade das minorias políticas no contexto dos Estados Unidos (negros, mulheres, latinos, muçulmanos etc).

Marcio André de Oliveira dos Santos

Núcleo de Estudos sobre Imigração, Raça e Etnicidade
Instituto de Humanidades e Letras
Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), campus dos Malês

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Química, religião e política

Considerado pelos norte-americanos como o descobridor do oxigênio, o britânico Joseph Priestley transitou por diversas áreas, deixando um vasto e importante legado em todas elas.

Mães fumantes, filhos obesos

Estudo em animais mostra que tabagismo durante o período da amamentação aumenta a probabilidade de bebês apresentarem sobrepeso na vida adulta, mesmo quando as mães pararam de fumar na gestação.