Vacinação: estratégia para reduzir a desigualdade

Gratuito e acessível a toda a população, Programa Nacional de Imunização brasileiro é poderosa ferramenta de redução de diferenças sociais, mas enfrenta obstáculos como corte de verbas e crescimento dos movimentos antivacinação.

 

O Brasil é um dos 10 países mais desiguais do mundo, apontou diagnóstico de 2017 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Mas, quando se trata de vacinação, o abismo crônico entre brasileiros pobres e ricos não é tão profundo como em outros setores da sociedade. Independentemente de classe social, etnia ou credo, todos podem receber as vacinas distribuídas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que comprova a força de programas de imunização universal no combate à desigualdade.

No ano em que a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia trata da ‘Ciência para a Redução das Desigualdades’, é essencial falarmos das conquistas do trabalho de vacinação no Brasil, mas também pensarmos nos muitos desafios que se impõem, como o crescimento do movimento antivacinas, os cortes de verbas para a saúde pública, a volta de algumas doenças que já tinham ficado no passado e a necessidade de se desenvolverem novas fórmulas para prevenir e combater outros males.

Herbert Leonel de Matos Guedes

Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Campus Duque de Caxias Professor Geraldo Cidade
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Leite materno, fígado e sistema imune: relação íntima

Interromper a amamentação pode prejudicar uma função pouco conhecida do fígado de bebês e torná-los mais suscetíveis a doenças medicamentosas ao longo da vida

Mary Anning, a caçadora de fósseis

Paleontóloga inglesa foi pouco considerada por seus pares, apesar de acumular em seu currículo um grande número de achados jurássicos e da importância de suas descobertas para a ciência.