Veneno e remédio

Alcaloides produzidos pelo fungo ergot, encontrado em grãos de cereais armazenados incorretamente, podem ser altamente tóxicos, mas guardam também uma importante ação terapêutica.

A sociedade humana moderna deve sua existência aos povos tradicionais e ao conhecimento adquirido por nossos ancestrais. Entre os incontáveis exemplos dessa dívida, encontra-se o farto berço dos medicamentos de que fazemos uso atualmente. A convivência com grupos étnicos de diferentes origens permitiu – e ainda permite – compreender a natureza e suas interações, sejam elas entre animais, plantas terrestres ou marinhas.

Com base nessa convivência, que pode ou não ser respeitosa, como mostra a história até os dias de hoje, passamos a deter o conhecimento de um arsenal de substâncias biologicamente ativas. Um exemplo bem nosso são os venenos paralisantes do curare (da classe dos alcaloides) usados na caça e pesca pelos povos indígenas da América do Sul.

O curare provoca paralisia e pode levar à morte, como descrito em relatos históricos de viajantes naturalistas. Mas, sob controle, passou logo cedo a ser empregado como anestésico em cirurgias. Atualmente, o cloreto de alcurônio, molécula parcialmente sintetizada a partir da matéria-prima natural, é o principal remanescente dessa história, sendo empregado como relaxante muscular cirúrgico.

Claudia Rezende

Instituto de Química
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje