Zoonoses: O protagonismo humano em pandemias, epidemias e surtos

Na natureza, as chances de um patógeno, como um vírus, causar danos à saúde – ou mesmo a morte – de seus hospedeiros específicos (humanos ou animais) é reduzida. Porém, as doenças infecciosas têm avançado, e o exemplo mais evidente é a atual pandemia da Covid-19.
A razão mais forte para esses cenários está na quebra das chamadas barreiras sanitárias naturais – principalmente, aquelas entre humanos e espécies silvestres –, o que é potencializado, por exemplo, por desmatamentos, assentamentos, caça, garimpos, comércio e consumo de animais silvestres.

Os humanos vêm presenciando um avanço de doenças infecciosas que se tornaram ameaças globais à saúde pública, ceifando vidas e impactando a economia global. Exemplos dessas doenças são influenza, gripe espanhola, gripe suína, gripe aviária, Aids e ebola.


As doenças infecciosas matam anualmente 14 milhões de pessoas no mundo – desse total, 10,5 milhões têm sido atribuídos às zoonoses

Essas enfermidades têm em comum o fato de serem zoonoses, ou seja, se originaram em animais silvestres ou domésticos e se espalharam para humanos. As doenças infecciosas matam anualmente 14 milhões de pessoas no mundo – desse total, 10,5 milhões têm sido atribuídos às zoonoses.

Helena Godoy Bergallo e Maria Alice Santos Alves

Departamento de Ecologia
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Walfrido Tomás

Laboratório de Vida Selvagem,
Embrapa Pantanal

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje