Lei sobre a biodiversidade, adivinhe onde

Era uma vez um reino muito, muito distante, que decidiu adotar uma lei sobre a biodiversidade, publicada em um 9 de agosto em seu diário oficial. O texto, com 174 artigos, foi adotado após mais de dois anos de discussão e tramitação no legislativo e validado pelo conselho constitucional do reino.

A lei determina a criação de uma agência nacional para a biodiversidade, que deve estar em pleno funcionamento um ano após a promulgação. A agência – que reagrupará 1.200 técnicos de órgãos de gestão das águas, parques nacionais, áreas marinhas protegidas e áreas naturais – dará apoio cientifico, técnico e financeiro às políticas para a água, a biodiversidade, os meios marinhos e outros temas ambientais. Terá, ainda, poderes de policia administrativa e judicial para assuntos ligados a água e meio ambiente, em colaboração com os demais agentes públicos competentes.

Entre outros avanços, a lei inscreve novos princípios no código ambiental e civil, a saber, a) não-regressão do direito ambiental; b) meta de zero perda líquida de biodiversidade; c) proteção dos solos de interesse coletivo, incorporados ao patrimônio nacional; d) regulamentação da compensação por danos à biodiversidade no código ambiental; e e) no código civil, criação de um regime de reparo de dano ecológico, inscrevendo na jurisprudência o princípio do poluidor-pagador.

Entre outros avanços, a lei inscreve novos princípios no código ambiental e civil

Proibição de pesticidas

Está achando tudo muito avançadinho? Tem mais. A lei reforça os meios de proteção a espécies ameaçadas, criando zonas prioritárias para a biodiversidade e zonas dedicadas à conservação de serviços ambientais dependentes da funcionalidade de áreas úmidas e corpos d’água. Ela prevê, ainda, a proibição do uso de pesticidas contendo neonicotinoides dois anos após a promulgação – o que é ótimo, mas, também, uma pena, já que estes continuarão dizimando polinizadores e outros insetos úteis até lá.

Para limitar o impacto do lixo plástico nos mares, proíbe-se o uso de microesferas plásticas em cosméticos e o de cotonetes com hastes plásticas respectivamente dois e quatro anos após a promulgação da lei. Podiam ter aproveitado e proibido o cotonete, pura e simplesmente, se tivessem consultado um otorrino em vez de ouvir o canto do lobby da indústria. Qualquer médico especializado lhes diria que a única coisa que podemos enfiar no ouvido é o cotovelo.

Mas vamos em frente com o pacote de modernidades. Há reforço das sanções penais para tráfico de espécies ameaçadas e previsão de ratificação do Protocolo de Nagoya, disciplinando o acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados, assim como a partilha dos lucros e benefícios decorrentes dos mesmos.

Trocas de sementes

A lei da biodiversidade também versa sobre a atividade agrícola. Vejamos como.

Desde os primórdios da agricultura, guarda-se uma parte da produção de sementes para o próximo plantio e para trocar com os agricultores vizinhos. Com a multiplicação de pedidos de patentes sobre seres vivos e o domínio do mercado de sementes por empresas de biotecnologia, a prática milenar de guardar sementes virou crime e a de trocá-las, contravenção. Mas os legisladores consideraram que isso é um freio à inovação e, assim, decidiram banir o patenteamento de produtos resultantes de processos essencialmente biológicos. Ou seja: é permitido trocar sementes novamente.

Para preservar a biodiversidade cultivada, também são autorizadas as trocas e cessões gratuitas aos jardineiros amadores e as trocas gratuitas, entre agricultores, de sementes vegetais pertencentes ao domínio público

Para preservar a biodiversidade cultivada, também são autorizadas as trocas e cessões gratuitas aos jardineiros amadores e as trocas gratuitas, entre agricultores, de sementes vegetais pertencentes ao domínio público, ou seja, não inscritas no catálogo oficial de plantios vegetais.

Interessante, pois isso sugere duas coisas. A primeira: que continua existindo um catálogo oficial de sementes que não podem ser trocadas nem de graça. Deve ser porque têm dono. A segunda: se a troca ou doação de sementes de domínio público foi agora permitida, é sinal de que já foi proibida.

É mesmo intrigante esta nossa espécie, que permite que uns poucos se apropriem de 10.000 anos do conhecimento e trabalho de muitos, passando, então, a proibir as práticas que permitiram este mesmo conhecimento e, consequentemente, promovendo a erosão da biodiversidade, que é a própria matéria-prima da agricultura.

Essa postura é certamente lucrativa, mas é também suicida, e não apenas para as empresas, mas também para a sustentabilidade da sociedade como um todo. Talvez por isso mesmo o tal reino muito, muito distante tenha resolvido promulgar a sua Lei sobre a Biodiversidade, antes que seja tarde demais.

Mas esta nossa espécie é também curiosa por natureza e adora uma história, uma adivinhação, um mistério. Por isso mesmo, nossa história não pode ficar sem final. Resta esclarecer: que reino muito, muito distante e muito moderninho seria esse? Algum país com megabiodiversidade? Costa Rica? Guatemala, Cuba, Colômbia, Peru, Tailândia, Vietnã, Nova Zelândia? Alguém disse Brasil? Ou, ao contrário, algum país arrasado tentando resgatar a biodiversidade perdida?

Nananinanão. O tal reino é a França e a lei foi promulgada neste mês de agosto de 2016.

Enquanto isso, em outro reino nem tão distante, a rainha foi deposta e os ocupantes do trono odeiam biodiversidade, seja ela natural ou política. Mas isso é outra história…

 

Jean Remy Davée Guimarães
Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 25.08.2016

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Tempestades, enchentes e embriões: um drama pré-histórico

Pesquisadores encontraram centenas de ovos de pterossauros de 120 milhões de anos, alguns contendo embriões preservados em três dimensões. A descoberta, tema da coluna de Alexander Kellner, revela fatos inéditos sobre uma espécie de réptil voador da China.

Bobagens

Muitos ‘sábios’ da língua portuguesa se valem de correlações falsas para explicar a origem de certas palavras ou apontam inadequações de expressões e provérbios consagrados com base em uma análise superficial. Sírio Possenti aponta os absurdos de algumas dessas teses em sua coluna.