Editora da CH ganha prêmio José Reis

        


Alicia Ivanissevich na redação de Ciência Hoje.

Em sua 28ª edição, o Prêmio José Reis de Divulgação Científica, o mais importante dessa área no Brasil, foi concedido este ano à jornalista Alicia Ivanissevich, que há 23 anos se dedica a levar a ciência ao grande público em meios de comunicação. Desde 1997, ela é editora da revista Ciência Hoje, publicação mensal do Instituto Ciência Hoje, vinculado à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A jornalista Mariluce de Souza Moura, diretora de redação da revista Pesquisa Fapesp, recebeu menção honrosa.

A trajetória de Ivanissevich como jornalista especializada em divulgação científica teve início em 1985, quando, ainda estudante de jornalismo, integrou a equipe de um informativo semanal da revista Ciência Hoje chamado Informe (hoje Jornal da Ciência). Já formada em comunicação social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, atuou como repórter do Informe e da Ciência Hoje e, mais tarde, como coordenadora de reportagem da revista, da qual é editora executiva há 11 anos.

A relação da Ciência Hoje com o Prêmio José Reis não é recente. A revista foi contemplada em 1983, um ano após ter sido criada. Em 1991, foi a vez da Ciência Hoje das Crianças, revista do Instituto Ciência Hoje direcionada ao público infanto-juvenil, ser agraciada. Em 1996, o jornalista Roberto Barros de Carvalho, então correspondente da sucursal de Minas Gerais da Ciência Hoje, recebeu o prêmio.

Além do trabalho na Ciência Hoje, a contemplada de 2008 atuou, de 1992 a 1997, como repórter de ciência, repórter especial e editora de ciência do Jornal do Brasil. Uma de suas reportagens, sobre câncer de mama, lhe rendeu menção honrosa concedida pelo Convênio Médico Interclínicas, de São Paulo. Nesse mesmo período, Ivanissevich recebeu bolsa de seis meses do Conselho Britânico para aprimorar seus estudos em jornalismo científico no Wellcome Centre for Medical Science, em Londres (Inglaterra).

Homenagem ao pioneirismo
O Prêmio José Reis, criado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em 1978, é uma homenagem ao trabalho do médico, pesquisador, jornalista e educador José Reis, um dos pioneiros da divulgação científica no Brasil. A premiação é concedida a iniciativas que contribuam significativamente para disseminar a ciência, a tecnologia, a pesquisa e a inovação para o grande público. Desde 1995, são agraciados anualmente, em sistema de rodízio, pesquisadores ou escritores que divulgam ciência, jornalistas de destaque na área e instituições ou veículos de comunicação que apóiam a divulgação científica.

Neste ano, 34 jornalistas se inscreveram para concorrer ao prêmio. A vencedora, Alicia Ivanissevich, lembra que, quando começou a trabalhar com jornalismo científico, só havia uma publicação na área e eram poucos os que aceitavam o desafio. “Hoje, temos dezenas de bons profissionais trabalhando em diversos meios e uma série de revistas, jornais, blogs, sítios, programas de TV e rádio que fazem uma excelente divulgação da produção científica nacional. Só temos que comemorar e continuar nossa missão de popularizar a ciência e aproximar a academia da sociedade.”

A editora da CH recebeu a notícia da premiação do próprio presidente do CNPq, Marco Antonio Zago, que ressaltou: “Pode ter certeza de que foi um prêmio merecido, porque o júri convocado pelo CNPq foi composto por pessoas de alto gabarito”. Para a escolha, a comissão julgadora considerou, segundo seu parecer, “o percurso de compromisso com o jornalismo científico de Alicia Ivanissevich e também uma maneira de homenagear os 60 anos comemorados este ano pela SBPC”.

A premiação, que inclui diploma e importância em dinheiro no valor de R$ 10 mil, será entregue na 60ª Reunião Anual da SBPC, que acontecerá em julho na Universidade Estadual de Campinas (São Paulo). 

Thaís Fernandes
Ciência Hoje On-line
19/06/2008

 

 

Matéria publicada em 19.06.2008

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.