Esperança contra tumores cerebrais

Glioblastomas multiformes (GBM) são os tumores mais comuns do sistema nervoso central e também os mais agressivos. Infiltram-se com facilidade, migrando para diferentes áreas do cérebro e produzindo incapacidade progressiva. Em pacientes submetidos a cirurgia para retirada total deste tipo de câncer, a recidiva é muito alta. Neste cenário de desalento, desponta uma esperança: testes em camundongos que utilizaram células-tronco neurais derivadas do tecido muscular em associação com o vírus HIV modificado exterminaram o tumor original e seus derivados.

A realidade é cruel. No Brasil, a incidência de tumores do sistema nervoso central é de aproximadamente sete em cada 100 mil habitantes. A média de sobrevida, a partir do diagnóstico, é geralmente menor que um ano e a maioria dos pacientes (90% a 95%) evoluirá para óbito em dois anos. Hoje, tenta-se reduzir o potencial de recidiva dos GBMs malignos com a combinação de radioterapia pós-operatória e quimioterapia. Mas, mesmo tendo sido extirpado cirurgicamente e tratado com esta dupla de procedimentos, existe grande probabilidade de recorrência do tumor, porque sua capacidade infiltrativa favorece o surgimento de tumores satélites. É bem verdade que algumas drogas apresentam eficácia contra as células tumorais de GBM em cultura de células e até em animais experimentais, porém, os tumores satélites permanecem dificultando a eliminação das células malignas.

Conseguir combater o foco original do câncer e seus derivados é o ponto central da pesquisa que desenvolvemos no Departamento de Patologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Um novo caminho começou a ser trilhado com o isolamento de células-tronco neurais a partir de tecido muscular de animais. A vantagem de se utilizar esse tecido é que ele representa aproximadamente 50% do corpo e é facilmente acessível para biópsias, sem gerar danos ao doador. Mas o melhor é que as células-tronco neurais derivadas do músculo esquelético se mostraram capazes de sobreviver após serem injetadas no cérebro sem o risco de formar tumores.

Quando as células tumorais foram expostas às células-tronco neurais produzindo a tal proteína, observou-se que as células tumorais morriam

Uma nova e positiva surpresa foi verificar que as células-tronco neurais apresentavam tropismo – tendência para migrar – em direção às células tumorais de GBM. Assim, elas foram usadas como veículos para levar medicamentos às células tumorais no cérebro. O procedimento consistiu em injetar células-tronco neurais marcadas com fluorescência verde em um lado do cérebro de camundongos, enquanto as células tumorais estavam marcadas com fluorescência vermelha e localizadas no lado oposto. O resultado foi que as células-tronco neurais migraram tanto para o tumor primário como para os satélites distantes dele.

Em seguida, valendo-se da engenharia genética, a equipe da UFMG utilizou um vírus HIV modificado, isto é, sem potencial de causar AIDS, para inserir uma sequência que codifica uma proteína antitumoral (TRAIL) dentro do DNA destas células-tronco neurais. Quando as células tumorais foram expostas às células-tronco neurais produzindo a tal proteína, observou-se que as células tumorais morriam.

Usar um vírus normalmente patogênico para uma finalidade benéfica desponta como uma possibilidade interessante para a biomedicina. Não se descarta, portanto, a possibilidade de que o vírus da Zika, que apresenta tropismo para o sistema nervoso central, possa ser usado no futuro como veículo de transporte para drogas em certas regiões do cérebro com a finalidade de combater doenças neurodegenerativas.

 

Alexander Birbrair
Departamento de Patologia
Instituto de Ciências Biológicas
Universidade Federal de Minas Gerais

Matéria publicada em 06.12.2016

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.