Insani(ci)dade

Um estudo publicado na revista Nature desta semana mostra pela primeira vez que o ambiente urbano afeta o modo como nosso cérebro lida com o estresse e sugere que a vida nas cidades pode desencadear distúrbios como a ansiedade, a depressão e a esquizofrenia.

Conduzida por cientistas alemães, canadenses e ingleses, a pesquisa revela que, em situações de estresse, as pessoas que vivem ou foram criadas em grandes cidades apresentam um nível alto de atividade em duas regiões do cérebro que regulam as emoções, a amígdala e o córtex cingulado anterior.

Pessoas que vivem ou foram criadas em grandes cidades apresentam nível alto de atividade em regiões do cérebro que regulam as emoções

Para chegar à descoberta, os pesquisadores submeteram um grupo de adultos alemães sem histórico de doenças mentais a um teste de estresse. Os voluntários foram colocados dentro de máquinas de ressonância magnética, onde seus cérebros eram escaneados enquanto resolviam questões de matemática e lógica.

A velocidade e a dificuldade das tarefas eram adaptadas ao desempenho individual de cada participante por um programa de computador de modo a impor uma taxa de acertos menor que 40%. Para aumentar ainda mais o nível de estresse, os pesquisadores faziam críticas ao desempenho dos voluntários durante a experiência.

Os participantes que moravam em grandes cidades apresentaram alta atividade na amígdala, muito superior à observada nos voluntários moradores do campo e de cidades do interior. Já as pessoas que cresceram em grandes centros urbanos tiveram forte atividade no córtex cingulado anterior.

“Alterações na atividade da amígdala são associadas a transtornos de ansiedade, depressão e violência, enquanto que mudanças no córtex cingulado anterior já foram observadas em pacientes com esquizofrenia”, aponta um dos autores do estudo, o psiquiatra Andreas Meyer-Lindenberg da Universidade de Heidelberg, na Alemanha.

Ligações a esclarecer

O pesquisador não sabe ainda o que exatamente causa essa diferença na reação ao estresse entre os moradores da cidade e do campo e afirma que, em princípio, qualquer um dos  fatores relacionados à vida urbana – como a poluição, as aglomerações, o barulho e o ritmo de vida acelerado – poderia estar associado a ela.

Aglomeração urbana
A poluição, as aglomerações humanas, o barulho e o ritmo de vida acelerado nas cidades podem estar associados ao desenvolvimento de psicopatias. Mas, para provar essa relação, novos estudos precisam ser conduzidos. (foto: Flickr/ Ademir Batista dos Santos – CC BY 2.0)

Independentemente dessas incertezas, estudos anteriores já haviam mostrado que moradores de cidades têm 21% mais de probabilidade de desenvolver ansiedade e 39% mais chance de desenvolver distúrbios de humor, como a depressão. Já a esquizofrenia seria duas vezes mais comum entre indivíduos criados em centros urbanos.

Ainda assim, Meyer-Lindenberg ressalta que são necessários mais estudos para esclarecer as ligações entre essas doenças e as alterações cerebrais identificadas em sua pesquisa.

São necessários mais estudos para esclarecer as ligações entre as psicopatias e as alterações cerebrais identificadas na pesquisa

“Agora temos um alvo no cérebro para medir os efeitos do ambiente urbano e, em estudos próximos, poderemos olhar componentes específicos da cidade para descobrir o que causa essas mudanças cerebrais e como elas influenciam o aparecimento de psicopatias”, diz o psiquiatra.

Apesar de o estudo ter envolvido apenas voluntários alemães, ele acredita que seus resultados sejam válidos para outros países, inclusive para o Brasil.

“Outras sociedades devem ser estudadas para ver se os resultados se aplicam a elas”, comenta. “Mas, se já verificamos esse efeito na Alemanha, onde a diferença entre campo e cidade não é tão forte, é muito provável que o efeito esteja presente em países onde essa diferença é mais proeminente.”

Sofia Moutinho
Ciência Hoje On-line

Matéria publicada em 22.06.2011

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.