11 abril 2016

Nanoarte em debate

  • As formas espiraladas nessa nanoarte foram feitas com base no composto químico conhecido como hematita ou óxido de ferro. (foto: Ricardo Tranquilin e Rorivaldo Camargo/ INCTMN/ CDMF/ UFSCar/ Unesp Araraquara)
    1/5
  • Imagem que lembra um girassol feita com base no composto químico molibdato de cobre. (foto: Ricardo Tranquilin e Rorivaldo Camargo/ INCTMN/ CDMF/ UFSCar/ Unesp Araraquara)
    2/5
  • Nanoarte que lembra um quebra-cabeças. (foto: Enio Longo)
    3/5
  • A visualização de fenômenos em escala atômica oferece ao olhar do artista a possibilidade de imaginar o mundo de uma nova maneira. (foto: Enio Longo)
    4/5
  • A diversidade de temas e conceitos gerados pelas mudanças na nossa sociedade inspira artistas e gera conteúdo poético para suas obras. (foto: Enio Longo)
    5/5

Imagens geradas a partir da nanociência e da nanotecnologia vêm sendo trabalhadas ultimamente com fins estéticos. O resultado impressiona e encanta, mas nem todos o consideram arte.

COMPARTILHAR: