23 dezembro 2015

Retrospectiva 2015: Nos próximos anos, fiquem de olho nesses jovens cientistas

Confira cinco exemplos de estudantes que brilharam em áreas como alimentação, divulgação científica, energia nuclear e biologia sintética durante o ano.

Alice Cunha da Silva durante a cerimônia de entrega do prêmio de campeã da Olimpíada de Energia Nuclear 2015. Ela esteve entre os jovens cientistas que brilharam neste ano. (foto: divulgação/WNU)

Fazer ciência com criatividade, jogo de cintura e senso de oportunidade. Se 2015 não foi exatamente tranquilo para as pesquisas brasileiras – muitas sofreram problemas de financiamento em um ano marcado pelo corte de investimentos na área –, uma nova geração de cientistas mostrou que é possível driblar as dificuldades em busca de um lugar ao Sol. Dos alunos da Universidade de São Paulo que venderam colares de "moléculas" para viajar ao estudante de graduação que desenvolveu, junto com seu orientador, um programa para identificar pedófilos, separamos cinco exemplos de iniciativas relacionadas a jovens cientistas que prometem voltar às manchetes nos próximos anos.

Alimentação segura e com qualidade


Joana Meneguzzo Pasquali e seu DetectoxA qualidade da nossa alimentação é uma preocupação crescente e envolve vários fatores. De um lado, existem alimentos cujo consumo pode trazer benefícios à saúde. De outro, a produção cada vez mais industrializada dificulta a transparência em relação ao que se ingere e o ato de comer pode ir do prazer à tragédia com adulterações que enganam e prejudicam o consumidor em favor dos lucros. Além disso, a sociedade precisa encontrar modelos alternativos e sustentáveis que permitam melhorar a gestão dos espaços produtivos, controlar a origem dos alimentos e garantir sua distribuição mais equilibrada. Essas questões estão na base dos projetos vencedores da 28ª edição do Prêmio Jovem Cientista, que teve como tema a segurança alimentar e nutricional.

Pedófilos na mira

Pedófilos na miraAo lado de seu orientador, o cientista da computação Danillo Roberto Pereira, o estudante de graduação Guilherme Sekine criou, para um projeto de conclusão de curso, um sistema que pode auxiliar investigações e identificar produtores de pornografia infantil. O método é capaz de detectar a origem de fotografias com 95% de eficácia e já está pronto para ser usado contra os pedófilos da internet.

Um é pouco, dois é bom. Dez é melhor ainda

 

Equipe protomatos

Com uma proposta sobre modelagem de DNA para otimizar reações bioquímicas, equipe formada por dez alunos de diversas áreas da USP conseguiu arrecadar quase R$ 17 mil por meio de financiamento coletivo e foi a primeira representante da América do Sul a participar da Biomod, competição de biologia sintética realizada na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Menina de ouro

 

Menina de ouro 2A notícia de que uma jovem brasileira venceu um campeonato mundial de energia nuclear pegou muita gente de surpresa – inclusive a própria. “Arregalei os olhos, coloquei a mão na boca e pensei: ‘Meu Deus, não acredito’”, conta Alice Cunha da Silva. Em setembro, a estudante de 25 anos recebeu das mãos do diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Yukiya Amano, o troféu de campeã da Olimpíada Nuclear 2015, cuja fase final foi realizada em Viena, na Áustria.

Para falar de ciência

Finalistas Euraxess Science Slam Brazil 2015

Almoço de domingo, família reunida e a pergunta de sempre. “Mas afinal, sobre o que é a sua pesquisa?”. Após dez minutos de explicação, o silêncio denuncia: nem sempre é fácil traduzir a atividade científica em poucas palavras. A cena, quase uma anedota entre pesquisadores, não vai mais se repetir para os cinco finalistas da terceira edição do Euraxess Science Slam Brazil. A final do concurso de comunicação científica teve candidatos inspirados pelo desafio de falar sobre ciência de forma lúdica, criativa e divertida.

Tags:
COMPARTILHAR